quinta-feira, 31 de julho de 2008

Pudim mandarim com ovos

Fiz este pudim para aproveitar o pacotinho que me sobrou, uma vez que comprei para fazer um pudim de coco.


Como não costumo fazer este tipo de pudins de pacote, resolvi fazer a receita que recomendam na embalagem e ficou muito bom, com uma textura quase de molotof.


1 pacote de pudim Mandarim
4 Ovos,
4 colheres de açucar
1/2l de leite

Meti o leite ao lume para levantar fervura.

Juntei as gemas com o pó do pudim e com o açúcar, e juntei umas colheres de leite quente e bati bem, juntei depois com cuidado ao resto do leite a ferver, para não ganhar grumos, tem que se mexer bem.

Levei novamente ao lume para engrossar e cozer as gemas, retira-se do lume.

No fim de tudo, bati as claras em castelo e juntei ao pudim quente, recomendava mexer rapidamente e eu como tinha a batedeira ligada, bati com a batedeira.

Depois é só fazer caramelo, deitar numa forma e levar ao frigorifico a solidificar.

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Massa elastica

Esta é mais uma massa daquelas rapidinhas, para quando não há mais nada.


Costumo fazer com o que tenho á mão, uma coisa que uso muito é fiambre, normalmente tenho sempre fiambre congelado aos cubinhos, compro duas ou tres fatias grossas com mais ou menos um centimetro, corto aos cubinhos e congelo, serve para este tipo de massa, quiches etc...
Nesta usei:
Massa de cotovelinhos
Fiambre
Cogumelos
Iogurte natural ( gosto mais com natas)
Ketchup e mostarda
Queijo ralado emental e mozzarela

Normalmente coloco numa frigideira um bocadinho de azeite, e deito cogumelos, o fiambre e deixo saltear um bocadinho, depois ou junto natas, mostarda e ketchup, ou se não estiver prái virada, faço o molho com iogurte natural.

Depois cozo massa tipo espirais ou cotovelinhos médios.

Num pirex ou outro coloco em camadas
a massa,
o preparado de fiambre e cogumelos
e bastante queijo ralado,
e repito quantas vezes necessário, mas termina com queijo.


No fim deito o molho por cima e vai ao forno para derreter o queijo e alourar um bocadinho.
Elastica, porque quando se tira do pirex para servir, formam-se muitos fios do queijo.


terça-feira, 29 de julho de 2008

Bolo 4 ingredientes da belinha

Vi esta receita aqui achei tão fácil e como gostamos muito de coco cá em casa, resolvi experimentar.


Nunca pensei que o resultado final fosse este, pelos ingredientes que leva pensei que ficasse mais tipo pudim.


1 lata de leite condensado
4 ovos
100 gr de cocô
1 colher de sopa de fermento em pó para bolos


Meter tudo no liquidificador, misturar tudo.

Meter numa forma untada, levar ao forno cerca de 30 minutos ou até estar cozida com o teste do palito.

Eu pelo sim pelo não forrei a forma com papel vegetal, porque fiquei desconfiada com esta frase da belinha "desenformar quase frio se conseguir..."

Ficou com uma textura fofinha mas diferente, mas ficou aprovadissimo

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Espirais coloridas

Um dia desta semana, cheguei a casa tarde e como não tinha tirado nada para jantar, ainda pensamos ir buscar qualquer coisa feita, mas pensando bem o tempo que iamos perder até lá e á espera eu fazia algo...



Massa é sempre a primeira opção pela rapidez.

Água a ferver no jarro electrico e mais 10 min a ferver com a massa e já está.


Para acompanhar enquanto coze a massa...


Uma cebola picadinha na frigideira grande num bocadinho de azeite,

Uma latinha de cogumelos cortados,

Um frasquinho de salsichas cortada ás rodelas,

uma chávena de milho congelado,

Um bocadinho de polpa de tomate temperada

uns temperos....

e já está foi só o tempo de ir abrindo latas, frascos e juntando tudo.




Como era tarde esta comeu-se logo quentinha, mas o que sobrou, depois de fria também soube bem, tipo salada de massa.

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Caldeirada de Peixe

Quando chega o verão, uma das coisas que gosto de comer é caldeirada, não sei porquê lembra-me as férias na praia e principalmente as que passei quando era nova na nazaré.


Fazer caldeirada para dois é um bocadito complicado, pelas quantidades e variedade de peixe, a opção é quando se tem confiança na peixaria, comprar aquela caldeirada que eles tem já partida, ou em alternativa comprar duas ou três postas de peixe a gosto e foi o que fiz desta vez.


Uma posta de salmão
Uma posta de safio (congro)
Duas postinhas de raia.
Uma lulita ou duas e um bocadinho de solha que comprei a mais para outra ocasião.




Cebola - 2 médias
Pimento - 2 médios.
Batatas - umas 4
Tomate - 2 médios.


Pela ordem indicada coloquei no tacho a cebola cortada grosseira, o pimento e as batatas em meias luas grossas.

Em cima disto meti o peixe.

E por ultimo o tomate sem a pele e partido aos pedaços grosseiros, ponho só no fim para não se desfazer muito.

Por cima de tudo deito o sal, uma colherada de polpa de tomate, rego com uma boa golada de azeite e um bocadinho pouco de vinho branco.

Vai ao lume a cozer lentamente , sem mexer, eu abano a panela de vez em quando para não pegar.

A panela deve-se manter tapada, para não evaporar o liquido que se vai formando.


terça-feira, 22 de julho de 2008

Doce da Vanessa

Este doce foi uma estagiária que levou para o serviço, para a sua despedida, é original da mãe dela, que ao que parece tem um dom especial para doces e para criar coisas novas.

3 pacotes de natas
1 lata de leite condensado cozido
4 folhas de gelatina
Bolacha Maria
Chocolate liquido Tipo toping

Batem-se bem as natas e envolvem-se com o leite condensado cozido e com as folhas de gelatina depois de dissolvidas.

Deita-se o doce num pirex comprido

Molham-se as bolachas no molho de chocolate e espetam-se ao alto na diagonal no doce de modo a ficar com uma meia lua pequena de fora.

Com o resto do chocolate fazem-se desenhos a gosto para decorar o doce por cima.
Nota: Fica bastante doce, mas por incrivel que pareça não é enjoativo.
Visto assim parece que tem um bocadinho mau aspecto, mas o sabor não condiz com a imagem.
Esta foi a fotografia possível, porque quando me lembrei já estava tudo comido e apenas sobrou este pedacinho.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Grelhada mista na Plancha

Nestas férias em frança, fiquei uns dias em casa de uns primos que entre outros petiscos nos serviram uma refeição de grelhados na plancha que é um verdadeiro manjar dos deuses para esta época de verão.

Então para começar tempera-se tudo o que se vai usar e aqui depende do gosto pessoal, neste caso foi
Legumes:
Courgete
Tomate
Pimento
Cebola
Cogumelos frescos


Carne de Porco temperada a gosto.

Molho:
Azeite
Sal
Colorau
Ervas aromáticas, salsa, tomilho e alecrim por ex.
Vinho.

E uns camarões de ultima hora que não estavam previstos mas que ficaram uma delicia.

Cortam-se os legumes e temperam-se com o molho.

Depois é só colocar os legumes na plancha ou todos juntos ou por fases se alguem não gostar de algum, que foi o caso e ir virando até estarem cozinhados e macios.

Depois colocam-se os camarões no fim as carnes, entre cada ingrediente diferente, basta limpar a placa com uma espátula de madeira.

E enquanto o cozinheiro acaba o resto

Vão-se bebendo os aperitivos que os francêses tanto gastam, para abrir o apetite dizem,como se o cheiro não bastasse.

e as fotografias do repasto foram esquecidas, depois de tanta entrada e saída

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Relax pela França um pouco de S. Emilion e vale do Loire

No fim do cruzeiro pelo baltico, como ainda nos sobrava uma semana de férias, tinhamos duas hipoteses, voltar para casa e começar logo a pensar na rotina e problemas do ano inteiro, ou ficar por espanha, já que o avião para o cruzeiro saiu e chegou a Madrid.

Pensando melhor fomos até frança, um pais mais fresco, mais verde e muito mais tranquilo, para repousar da semana cansativa do cruzeiro e lá fomos nós, sem rumo nem nada planeado.


A primeira paragem foi em Labouheyre, uma vilinha pequenina que quase nem aparece no mapa e muito menos em roteiros turisticos.


Uma breve passagem por Mont de Marsans, no departamento de Landes.
As praças sempre floridas tipicas das vilas deste pais




Depois fomos até ao vale do Loire, embora ja conhecesse é sempre bom voltar e há sempre algo que ficou para vêr. Aqui ficamos em Blois e visitámos a cidade.
O castelo

Uma rua com a Catedral de S. Luis ao cimo
Vista sobre o casario e o rio ao fundo.

Aproveitámos para visitar mais alguns dos famosos "chateaux" desta zona.
O de Cheverny.

Um pouco dos grandes jardins


e o chateaux de Chaumont sur loire, num estilo completamente diferente.


Arte contemporânea no interior do castelo e nos jardins também.


Uma igreja que fica no fundo da encosta do castelo mesmo ao lado do Loire

Hotel na mesma zona
No regresso fizemos uma paragem numa outra vilinha tipica a bela S. Emilion, na zona das "vinhobles" por excelencia, a zona do famoso vinho de Bordeaux, onde visitamos a vila mediaval e umas caves escavadas na rocha.




Vinhas a perder de vista
O escoamento da produção para turista
E como não podia deixar de ser mais flores



terça-feira, 15 de julho de 2008

A dificil vida de turista!!!!!

Depois de uma ausencia, por um bom motivo, as esperadas ferias, volto ao trabalho com a alma renovada.
Ao bloguinho, como agora estamos em época de contenção(alimentar), porque os exageros foram muitos, venho por agora postar apenas sobre a minha viagem.
Este ano a opção foi fazer um cruzeiro pelas capitais balticas, entusiasmada pelos amigos que me acompanharam no ano passado resolvi embarcar neste.
O ponto de partida deste cruzeiro foi a capital da Finlândia, Helsinkia.
A Catedral Luterana, situada na praça do senado.

Estátua do czar Alexandre I


E a catedral Upenski a maior catedral ortodoxa dos paises nordicos, são talvez os postais mais conhecidos desta cidade.





Deixando a Finlandia para tras, a próxima paragem foi S.Petersburgo, a segunda cidade da Russia, talvez a mais esperada deste circuito, aqui por se tratar da Russia, um pais de trato mais dificil, para com os turistas, pela dificuldade da lingua e letras proprias, pela exigencia de vistos, e ainda pela grandiosidade da cidade resolvemos ir com excursões contratadas.


Pensamos ser a melhor maneira de visitar o máximo.


No primeiro dia e devido a um atrazo do programa, visitámos, a Catedral de S. salvador ou da ressurreição ou sangue derramado, Três nomes pelos quais é conhecida, um exemplo muito bonito da tipica arquitectura Russa.




A catedral de S.Isaac, um monumento imponente, talvez o mais imponente que já visitei depois do vaticano.



e fizemos um passeio de barco pelos canais para vêr as famosas noites brancas e estavam mesmo brancas, mas não pelo sol, mas pelas nuvens, nesta fotografias já deviam ser umas 23h



No segundo dia fomos até aos palácios de Peterhof ou petrodvorets em russo, ao Palácio de catarina, ambos nos arredores da cidade e visitámos ainda a fortaleza de S.Pedro e S.Paulo que tem uma catedral com o mesmo nome, onde se encontram enterrado o ultimo Czar da Russia Nicolau II e a sua familia.

Palácio de Catarina



Peterhof ou Petrodvorets e as suas 170 e muitas fontes, era o palácio preferido por Pedro o grande para as suas festas de verão.
A fortaleza e catedral de S.Pedro e S.Paulo



A próxima paragem foi a bela cidade de Tallin na Estónia, uma cidadezinha mediaval, pequenina e encantadora, o tempo de visita mais uma vez foi curto, mas suficiente para ficar com uma ideia, porque o centro histórico é mesmo pequeno.
Um pouco das muralhas e torres que cercam a cidade antiga


Catedral ortodoxa de Alexander Nevsky


As belissimas explanadas na praça do municipio

Mais um porto para trás e agora vamos até á Suécia e a caminho de Estocolmo, por recomendação do capitão do barco, levantámos bem cedo para estar nas varandas do navio para vêr a entrada na cidade e a passagem pelos canais formados por milhões de ilhas até lá chegar, uma paisagem deslumbrante, com a luminosidade do dia a nascer, ainda que aí ele nasce bem cedo.





Uma cidade onde se respira organização e tranquilidade.


Uma rua com a catedral ao cimo.


Proxima paragem a Polónia e a belissima cidade de Gdansk, quando entramos na cidade houve algo que me fez lembrar os campos de concentração nazis, não sei se saber da proximidade se pela arquitectura e pelos prédios em tijoleira de um castanho muito escuro, mas á medida que nos fomos aproximando da zona mais central, totalmente recuperada e comercial, essa imagem logo se esquece.

As torres e igrejas na tipica e tradicional tijoleira castanho escuro



Contrastando com a explosão de côr do casario de outras ruas e praças.


Para terminar em grande Copenhaga a capital da Dinamarca, talvez a cidade mais cosmopolita, com uma animação fora de serie, milhões de pessoas na rua, milhões de bicicletas , os canais e a vida em volta deles
A pequenissima e famosissima sereia







Uma coisa que me ficou na memória de todas estas cidades....
Flores
Mais Flores..... e ....


ainda mais Flores
.......e mais flores
Um circuito de sonho.
Pena que em cruzeiro não dá para apreciar plenamente as cidades, ficamos com uma ideia e com vontade de voltar.
Uma vantagem de fazer um cruzeiro é que o hotel acompanha-nos para todos os sitios, não temos que nos preocupar em fazer as malas sempre que nos deslocamos entre cidades e a outra parte é a vida a bordo, a animação e o convivio com os amigos que levamos ou sozinhos e o convivio com as outras pessoas que conosco se cruzam e com as quais muitas vezes acabamos por fazer amizade, e foi o nosso caso no ano anterior, que fizemos novos amigos e que nos acompanharam este ano.

Um pouco da vida a bordo.
O simulacro de salvamento em caso de barco a afundar!!!!
A piscina que normalmente é só para os pequenos.
Boas bebidinhas para boas conversas ao fim de um dia duro de visitas

Ou para acompanhar os espectáculos nocturnos a bordo.
E para a despedida um belo por de sol nas noites mais brancas do planeta, o sol da meia noite.