sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Jardineira de soja

Vi uma jardineira de soja no blog do apokalipsus e resolvi experimentar, não segui a receita á risca, porque para mim é um grande desafio, por isso fiz á minha maneira, seguindo as dicas dele, nesta e numa serie de receitas com soja.

1 cebola
2 dentes de alho
4 batatas
Uma mão cheia de nacos de soja
Duas cenouras
Um pimento vermelho
Uma chávena de mistura de legumes chinesa
Polpa de tomate com cebola e alho
2 colheres de molho de soja
1 copo de vinho branco
Uma folha de louro
Azeite e sal q.b.

Primeiro por os nacos de soja de molho pelo menos durante 30 min.

Depois levar o azeite a cebola e o alho a alourar e juntar os nacos de soja, bem escorridos e deixar dourar um bocadito.

Deixar cozinhar um bocadinho e juntar a polpa de tomate, o vinho e os temperos, que no meu caso foi mesmo só o molho de soja, mais um nadinha de sal e a folha de louro e deixei cozinhar mais um bocadito.

Depois juntei mais um copo de água e juntei as batatas e a cenoura partida aos cubos, deixei cozinhar e depois de as batatas já estarem a meio da cozedura é que juntei os legumes chineses, porque estes já são pré cozinhados e o pimento vermelho, porque também era congelado.

Depois foi só deixar apurar um bocadito e já está

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Pão vital

Este é mais um pão feito com aquelas farinhas próprias para maquina de pão e que só precisa adicionar água, eu como acho as farinhas muito caras, não faço como diz no pacote e em vez do meio kilo de farinha meto só 250 gr e acrescento as restantes 250 gr de farinha tipo 65 e fica uma maravilha.

Os outros que fiz, já que adicionava farinha diferente juntava também meio pacote de fermento, mas uma amiga disse-me que não é necessário e neste já não meti e ficou bem, cresceu muito bem e ficou excelente de sabor.

250 gr de farinha para pão vital do Lidl
250 gr de farinha tipo 65
350 ml de água.

Programa normal 1
Tostado médio
Quantidade de massa 1 (pão de 800gr)


Este pãozinho foi parar á quinta para um lanchinho depois de uma tarde de carnaval muito soalheirinha, a trabalhar duro, principalmente eu :-)

Enquanto uns se divertem em corsos carnavalescos e outros se divertem com máquinas de pão, há quem goste de se divertir com outras máquinas.
Na tarefa inglória de acabar com as ervas sem lhes juntar pesticidas!!!!e as minhas bananeiras, tadinhas esqueletos vivos, tentando sobreviver ao inverno duro que passou

Ah!! mas eu também ajudei, para além da boa companhia que faço :-) ajudei a por as batatitas no sitio e os cebolinhos, que ainda irão parar á panela cá em casa

Eu pela minha parte tive uma tarde durissima, atraz das abelhas que pairavam em cima das flores do que deviam ter sido grelos de nabo, mas que não chegaram á panela por falta de tempo para ir lá, em tempo útil buscá-los!!!

Atraz de florinhas selvagens que crescem por lá no meio das ervas

A cegonha que por lá paira, ainda não consegui apanhar desta vez.

Mas consegui apanhar, para terminar uma tarde linda mais um pôr do sol, na zona dos canais de rega do baixo mondego.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Bolo de marmelo

Este bolo já o fiz na altura dos marmelos e nunca mais me lembrei dele, tenho publicado outras coisas e este foi ficando ficandoo...





Na altura vi por aí montes de receitinhas com marmelos, mas não encontrei nenhuma de bolo que me agradasse a 100% com os ditos, vai daí e como é meu costume invento e encontrei uma receitinha de bolo de banana que agora não me lembro já onde encontrei, se a autora a identificar que me diga para eu rectificar aqui.





Então a receita que eu utilizei substituindo a banana por marmelo foi esta





200gr de açúcar+ 125 para o caramelo
200 gr de manteiga
4 ovos
1 colher de sopa de leite
160 gr de farinha
2 colheres de chá de fermento
6 bananas - substitui por 4 marmelos pequenos



Primeiro faz-se o caramelo, eu fiz directamente na forma e por cima dispoe-se os marmelos descascados e cortados aos gominhos.



Depois bater muito bem o açúcar com a manteiga amolecida até fazer creme e juntam-se os ovos e a colher de sopa de leite e bate-se bem.



Por ultimo adiciona-se a farinha peneirada com o fermento e envolve-se bem.



Deita-se esta massa em cima dos marmelos e vai ao forno pré-aquecido a 200ºa cozer durante mais ou menos 30 min. mas convem verificar.


O resultado foi um bolo de massa muito delicada, fofinha e saborosa e uns marmelos em cima duros e caramelizados, que quando se partiam as fatias esmigalhava o bolo todo, pelo que a receita fica registada para repetir, mas para fazer com fruta mais macia, talvez por isso na receita original se usam as bananas.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Torta de bacalhau

Esta é uma receitinha  da revista Saúde á mesa de Janeiro, que por certo tem montes de coisas boas e esta torta também não é excepção, uma verdadeira delicia.


1 cebola
2 dentes de alho
3 colheres de sopa de azeite
4 colheres de sopa de farinha
1 colher de fermento em pó
2,5 dl de leite quente magro(usei meio gordo)
200 gr de bacalhau cozido e limpo de peles e espinhas (usei uma posta que pesava 300gr)
1 colher de chá de sal
Pimenta de moer q.b.
1 ramo de salsa (não usei)
4 ovos

1º- Aquecer o forno a 180º. Forre o tabuleiro do forno com papel vegetal e barre-o ligeiramente com azeite (untei com margarina) e usei um outro tabuleiro

2º- Descasque a cebola e os alhos e pique-os finamente. Coloque nun tacho, junte o azeite e leve ao lume. Deixe cozinhar até ficar transparente.

3º- Junte depois a farinha, previamente misturada com o fermento, mexa e adicione o leite sem parar de mexer. Junte o bacalhau bem desfeito e misture bem.

Retire do lume, tempere com sal, pimenta e a salsa picada e mexa bem.

4º- Separe as gemas das claras, junte as gemas ao preparado anterior e mexa bem, acrescente as claras batidas em castelo e mexa delicadamente.

5º- Coloque o preparado no tabuleiro, espalhe bem e leve ao forno durante 25 minutos, de modo a ficar douradinho.

Retire e desenforme sobre um pano de cozinha e enrole com a ajuda do pano.

Deixe repousar e sirva morna ou fria, acompanhada de uma bela salada variada ou de legumes cozidos.
Ficou super-fofinha quase um souflé enrolado, e com uma textura muito fácil de enrolar, até a mim me saiu enroladinha sem se partir toda, coisa pouco vulgar nas tortas doces.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Pão da Avó Marta

Este pão quem me falou dele foi o Apokalipsus, mas a receita acabei por ir buscá-la a um blog qualquer dos muitos que já fizeram este pão, porque na altura não tinha acesso ao forum.

Mas o que interessa é que é um pãozinho mais simples sem grandes coisas, nem farinhas especiais, mas que fica delicioso.


400ml de água morna
1 colher de chá de sal
700g de farinha tipo 65
1 pacotinho de fermento vahiné

Coloque os ingredientes na cuba pela ordem acima apresentada.


O programa escolhido é o favorito cá de casa o normal, tostado médio e pão de 1 kilo

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Arroz de entrecosto de vinho de alhos

Onde comi este arroz foi num restaurante que fica em carregal do sal e que tem uma comidinha maravilhosa, ou pelo menos tinha, porque já há uns dois anos que lá fui a ultima vez.
O restaurante é o Quinta de cabriz, famosa pelos vinhos.

A receita está claro é segredo da casa, mas eu como boa observadora que sou tirei as minhas conclusões e fiz um á minha maneira.

Meti
600 gr de entrecosto cortado pequeno
5 ou 6 dentes de alho
1 copo de vinho tinto
2 folhas de louro
Sal

Numa caixa de tampa hermética de um dia para o outro, há quem diga que deve ficar mais dias, eu como não sou grande fã de carnes em vinho de alho deixei só de um dia para o outro e já fica a saber bastante.

Depois desta parte fiz um refogado
com azeite
uma cebola picadinha
e os alhos da marinada
e mais duas folhas de louro
juntei a carne e o vinho da marinada e deixei cozinhar a carne.

Entretanto arranjei um saco de espigos de couve, que tinha trazido da quinta, na maioria só mesmo as pontas, juntei alguma água ao cozinhado e os grelos arranjados.

Deixei murchar e juntei a água suficiente para um copo de arroz (3 copos).

Depois foi só deixar o arrozinho cozer e posso dizer que fica com um aspecto um bocadito negrito, mas o sabor é muito bom


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Pizza trapalhona

No outro dia meti na cabeça experimentar fazer massa de pizza na maquina de fazer pão, passei pelo sitio do costume e trouxe bacon e fiambre para o que desse e viesse.

Vai daí fui buscar a receita que vem no livro da máquina

300ml de água
3/4 de colher de cha de sal
2 colheres de sopa de azeite
450 gr de farinha tipo 55
2 colheres de chá de açúcar
1 pacote de fermento em pó.
Depois de meter tudo na cuba da máquina é que vi que o fermento para a máquina tinha acabado e não me lembrei, mas como eu sou teimosa e se meto na cabeça que vou fazer uma coisa faço mesmo!!!! meti fermento para bolos!!! só que a meio do processo de amassar roeu-me a consciencia e achei que aquilo não ia resultar e resolvi acrescentar um quarto de um cubo fermento fresco, dissolvido num bocadinho de água morna.


Aquilo lá esteve a levedar e como o tempo não passava e a hora de jantar já estava próxima e ainda tinha que cozer a pizza no forno. Tirei a massa da cuba e estava um bocadinho pegajosa, mas enfarinhando as mãos a massa estava uma delicia de mexer, parecia daquela que se ve nos filmes que até rodopia no ar hehe.

Estiquei metade numa forma mara pizza e deixei a outra de lado.
O recheio, com tanta invenção ficou um bocadito esquecido e assim foi um bocadito á pressa e com o que tinha á mão.


Polpa de tomate com alho e cebola da compal, para barrar a massa
Bacon, fiambre e bastante mozzarela ralado em cima



e vai para o forno sempre com a ideia de que iamos passar fome e já me preparava para deitar o resto da massa fora, quando vi que aquilo no forno até estava a ficar com bom aspecto.



Fiz o mesmo á restante massa, meti-a numa forma de tarte, e lembrei-me de polvilhar com uns oregãos e deitar uns fios de azeite por cima e o resultado foi a pizza mais saborosa que me lembro de ter comido, a massa ficou simplesmente divina, fofinha e saborosa.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Cozido simples

Cozido á portuguesa é um prato que gosto, principalmente no inverno, mas quase impossível de fazer para dois, pela enormidade de coisas que normalmente leva.

Assim de vez em quando se me apetece faço um á minha maneira, e aproveito para lhe meter apenas as coisas de que gosto mesmo e ainda assim é um exagero de carne quando um dos dois é um bocadito avesso á carne!!!


De carne

Uma tira de entrecosto pequena salgada de vespera
Duas coxas de frango
Um pedaço de bacon fumado porque eu adoro
Uma farinheira desta vez foi a feliz contemplada, podia ter sido um chouriço ou uma morcela!!!!


Legumes

Duas batatas
Uma cabeça de nabo só para mim
Duas cenouras
Um repolho de couve lombarda


Meti numa panela o entrecosto e o bacon a cozer em primeiro lugar, depois adicionei as coxinhas de frango e a farinheira.


Depois de estar tudo cozido, retiro para uma travessa e na mesma água meti os legumes a cozer e quando já estão quase volto a meter as carnes em cima para não ficarem frias.


Depois é só cortar as carnes aos pedaços e servir

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Viva o sol e a natureza

Hoje nem queria acreditar no que vi quando fui á varanda da minha cozinha, um belo rebanho de ovelhas a pastar nas ervas da beira da estrada, que a camara devia cortar e não corta!!!


Mas isto note-se em plena cidade de coimbra, não é em nenhuma aldeia do interior!!


Estas ovelhinhas penso que são residentes numa quinta que fica perto da minha casa, uma daquelas quintas que ainda não foi desbravada para construir prédios e mais prédios e parto do principio que os bichinhos cansados de tanta chuva e elegres pelo sol maravilhoso que entretanto abriu, resolveram vir averiguar como andava a comidinha pela beira da estrada.


Parece que a primavera já está ai a espreitar

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Mousse de chocolate

Para terminar o repasto do fim de semana e como não chegasse o tiramisu para sobremesa, a minha amiga trouxe uma mousse de chocolate que estava uma delicia pelo que lhe pedi a receitinha.

1 tablete de chocolate para mousse de 200 gr (usei Pantagruel)
1 colher de sopa de manteiga
8 ovos
8 colheres de sopa de açúcar

Derrete-se o chocolate partido aos bocadinhos com a manteiga.

Batem-se as gemas com o açúcar e depois junta-se o chocolate derretido com a manteiga e bate-se tudo.

Juntam-se as claras batidas em castelo e mistura-se.

Coloca-se na taça e no frigorifico.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Lombo de Porco com Abacaxi

Esta é uma receita diferente dos lombos recheados, mas que fica muito boa também e faz um vistão na mesa, porque fica muito bonito.

1kg de lombo de porco
1Kg de batatas
1 abacaxi
8 cebolinhas
8 dentes de alho
1 dl de vinho branco
Azeite
40 gr de margarina
1 colher de sopa de mostarda
2 colheres de sopa de mel
Alecrim seco
Colorau
Sal e pimenta

Limpe o lombo de peles e gorduras e esfregue-o com uma pasta preparada com sal, dentes de alho descascados e esmagados, mostarda e margarina

Coloque num tabuleiro de ir ao forno, regue com vinho branco e polvilhe com alecrim.
Deixe marinar durante algumas horas ou de um dia para o outro, foi o que eu fiz deixei de vespera.

As batatas e as cebolas, temperadas com o colorau e a pimenta, era para colocar á volta da carne a assar, esta parte eu não fiz, assei num tabuleiro á parte.

Regue tudo com um fio de azeite e espalhe o mel sobre a carne.

Leve a assar em forno moderado até a carne estar macia.
Corte a carne em fatias até metade da altura do lombo deixando cerca de 1 cm de intervalo entre elas.

Descasque o abacaxi e corte em fatias finas.
Introduza nas ranhuras obtidas meias fatias.


Leve ao forno por mais 10 min.
Servi com o restante abacaxi e com umas batatas que fazem muito sucesso cá em casa e muito simples.


Nota: As batatas cortadas aos quartos vão ao lume até a água ferver durante 2 ou 3 min, depois escorro e levo ao forno num tabuleiro com azeite e bastante alho picado fino até as batatas ficarem douradinhas, parecem quase fritas e ficam com o sabor do alho.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Tiramisu

Esta foi a sobremesa que fiz para o almoço que tive no fim de semana.

"..é uma sobremesa tipicamente italiana, possivelmente originária de Treviso, região do Vêneto, e que consiste em camadas de pão de ló (em geral substituído por biscoitos do tipo inglês ou champanhe) embebidas em café, entremeadas por um creme à base de queijo mascarpone e polvilhadas com chocolate amargo. Mas a receita original comporta muitas variações..." 

A minha receita foi retirada de um dos livrinhos da tal manteiga.

4 gemas + 3 claras
50+10 gr de açúcar
250 gr de queijo mascapone
150 gr de palitos la reine
1,5 dl de café forte
4 colheres de sopa de rum
1 colher de sopa de cacau


Bata as gemas com 50 gr de açúcar até obter um creme fofo e esbranquiçado e junte o queijo mascapone, batendo bem.

Bata as claras em castelo bem firme, juntando-lhes pouco a pouco as 10 gr de açúcar e no fim adicione-as suavemente ao creme de queijo.
Deite metade do creme numa taça.
Mergulhe rápidamente os palitos la reine no café forte ao qual adicionou o rum e disponha sobre o creme.
Cubra com o restante creme e leve ao frigorifico até estar bem frio, ou introduza no congelador por 30 min.
Antes de servir polvilhe com o cacau em pó.


Notas:
  • Da primeira vez que fiz este doce, fiz de vespera e no dia ao servir notei que se tinha formado um liquido pouco agradável á vista no fundo da taça, não sei se resultante do excesso de café ou se das claras a liquefazerem. Para acautelar esta parte, desta vez fiz no proprio dia e espremi um bocadinho os palitos e ficou excelente.
  • Nas duas vezes me esqueci de polvilhar com o cacau!!!! só depois de já estar meio comido me lembrei, por isso para a próxima colo o pacote de cacau com fita cola á taça!!!!

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Quiche de marisco

Esta quiche fiz para servir de entrada num almoço com amigos.



1 alho francês grande
150 gr de mexilhão congelado
150 gr de berbigão congelado
150 gr de camarão congelado
Delicias do mar só para decorar
1 pacote de natas (200ml)
4 ovos
1 colher de sopa de farinha
Queijo ralado q.b.
Sal e pimenta q.b.

Para a base, desde que aprendi esta receita com a ameixinha não quero outra.

60gr de farinha integral
60gr de farinha normal
60gr de margarina vegetal
1 gema
2 colheres de sopa de água morna

Primeiro preparei a base, juntei as duas farinhas e a manteiga e amassei com as mãos até ficar tudo tipo pão ralado, depois juntei a gema amassei e como estava um bocadito seca juntei as colheres de água e amassei mais um bocadito.

As fotografias da massa não coloco, porque já estão nesta quiche.

Depois foi só cortar o alho francês ás rodelas finas e meter a refogar num bocadinho de azeite.

Logo que fique molinho e transparente mete-se os mariscos, tempera-se com sal e deixa-se cozinhar no liquido que se forma.

Á parte bater 4 ovos inteiros com a colher de farinha e um pacote de natas e uma pitada de pimenta.

Por ultimo montar a quiche, esticar a massa e forrar a forma de tarte com ela, dispor o recheio preparado e por cima os ovos batidos.


Decorar com as delicias do mar e nas outras quiches costumo deitar bastante queijo ralado, nesta deitei só uns fios quase no fim, para não misturar muitos sabores, mas de maneira a dar alguma textura e ficar mais bonito.

Levar ao forno a 200º durante meia hora mais ou menos.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Pão de banana e iogurte

Mais uma experiência na minha maquina do pão, quando vi no blog pãobolosecia este pão de banana e iogurte ficou-me logo na memória para fazer, porque me pareceu bom.

A receita é esta:
60g de manteiga derretida
3 bananas grandes e maduras (400g) amassadas com o garfo num prato
2 ovos
1 iogurte natural (125ml) (pode ser de aromas)
100g (1/2 chávena) de açúcar
350g (2 e 1/2 chávenas) de farinha de trigo T65
140g (1 chávena) de farinha de trigo integral
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de canela moída
1/2 colher (chá) de sal fino

O programa que escolhi foi o normal, porque não me aventurei a fazer como lá dizia, andar a escolher programas e desligar a máquina para seleccionar outros.

No fim do programa normal, como foi referido o pão pareceu-me que ainda não estaria cozido, porque tinha acabado de estalar no alto e estava ainda a crescer, por isso liguei a máquina outra vez no programa cozer e deixei mais 10 min, mesmo assim precisava mais, porque ficou com uma nozinha mal cozida no alto.

Adoramos o pão, embora pareça mais um bolo do que pão, pela fotografia parece-me que ficou com uma consistência um bocadito diferente.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Salada quente de chocos

Esta receitinha tirei da revista Saúde á mesa de janeiro, nada que fuja muito dos meus cozinhadas habituais, no tempero e ingredientes, mas achei uma boa ideia para cozinhar uns choquinhos que tinha no congelador

A receita que vem na revista é

600 gr de choquinhos pequenos limpos.
Sumo de um limão (usei só meio)
Pimenta q.b.
1 cebola
3 dentes de alho
0,5 dl de azeite
2 dl de polpa de tomate(usei 2 tomates congelados)
1/2couve lombarda (usei couve coração)
3 colheres de sopa de vinagre
salsa picada (não usei)
1 cenoura adicionei por minha conta


Temperam-se os choquinhos com sumo de limão

Descasque a cebola e os dentes de alho e pique-os finamente. Aqueça o azeite e aloure a cebola e os alhos. Junte a polpa de tomate e deixe refogar durante 2 minutos, mexendo regularmente.

Adicione os choquinhos e deixe cozinhar durante 20 minutos.

Acrescente 2 dl de água e deixe apurar.
Lave e arranje a couve, corte em juliana e adicione aos choquinhos, aqui adicionei também a cenoura "ralada" ás tirinhas com o descascador de cenoura.

Deixe cozinhar até a couve ficar macia.

Regue com o vinagre, retire do lume, coloque numa travessa e sirva polvilhado de salsa, eu não polvilhei porque não tinha salsa em casa e o vinagre também só meti um borrifo, porque como meti o sumo de temperar os choquinhos sentia o molho já um bocadinho ácido.


Na revista não sugere nada para acompanhar, eu ainda pensei ficar mesmo só com a couve e a cenoura, mas o maridito tem muito medo de passar fome :-) pelo que cozi uma batata para acompanhar.



segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Não, não são queques

Esta é uma sugestão para quem como eu raramente compra polpas de tomate, e sempre que compra acaba por deitar fora o que não usa.

Porque para quem usa pouco como eu depois de aberto mesmo no frigorifico acaba por ganhar fungos .

Então nada como congelar e para não congelar em caixas de plastico que fazem sempre falta e normalmente são grandes demais, uma solução é congelar em forminhas e depois de estar congelado desenformar para um saco e fica pronto para usar a quantidade que se quiser.


domingo, 1 de fevereiro de 2009

Arroz de Grelos e Bacalhau

Nesta época dos grelos cá em casa é tudo com eles, porque para além de gostarmos muito, faz muito bem á saude comer verduras e estas mais escuras são excelentes porque dizem terem propriedades antioxidantes e anticancerigenas!!!!vá-se lá saber!!! pelo sim pelo não nós abusamos.

Fiz então um arrozinho que já estava é espera há um tempinho, com linguas de bacalhau.


Como as linguas já não eram muitas, porque comprei uma caixa, só que já tinha utilizado algumas, juntei mais uma posta de bacalhau.


1/2 caixa de linguas de bacalhau
1 posta de bacalhau
1 cebola
3 dentes de alho
1 folha de louro
1 copo de arroz
2 colheres de polpa de tomate temperada.
Grelos de nabo q.b.
Água pelo menos 3 copos

Primeiro dar uma fervura ao bacalhau e escolher as peles e espinhas e reservar a água de cozer.
Arranjar os grelos, lavando-os e escolhendo apenas os raminhos e folhas mais tenrinhos

Depois fiz o refogado com a cebola, o alho a folhita de louro e azeite, onde juntei as linguas de bacalhau e um pouco da água de cozer a posta, deixei cozinhar um bocadinho e juntei o tomate, só mesmo para lhe dar uma corzinha, porque a minha mãe nem mete tomate nenhum.


Juntei mais um bocadinho de água e juntei os grelos de nabo já arranjados e partidos aos raminhos pequenos, a quantidade é a gosto e o tempo é só o suficiente para murcharem, porque logo em seguida juntei o resto da água e logo que ferveu o arroz.
Os grelos cozem ao mesmo tempo que o arroz.


Depois é só deixar cozer e quase no fim juntar o bacalhau que já estava de reserva, verificar o sal, e não deixar secar, porque é bom com molhinho.