quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Patês e maionese a doce combinação

Cá em casa por norma não há maionese de compra, não somos fãs dela e muito menos da gordura e dos ééé que deve ter. Se alguma vez se comprou o fim foi quase sempre o prazo de validade expirado

Por isso sempre que preciso e normalmente é para fazer patês, faço a minha maionese caseira, na quantidade suficiente para não sobrar.

Para isso uso um frasco de vidro que guardei de alguma coisa e que é mais ou menos da largura da minha varinha, para que o pouco volume de ingredientes inicial fique logo ao alcance das suas helices e não se espalhe no fundo de uma taça.


O que uso normalmente é

1 gema fresquissima
1 colher de chá de mostarda de dijon ou outra
1 colher de sopa de vinagre
1 colher de sopa de azeite para começar, depois mais q.b.
Pode-se juntar ainda algum tempero a gosto, uma pitada de alho, ervas etc

Depois é só mexer com a varinha na velocidade máxima, bem juntinho ao fundo até começar a emulsionar e em seguida ir juntando azeite (ou óleo) sem parar de mexer, até obter a quantidade pretendida, eu cá em casa uso sempre azeite, acho mais saudável e muito mais saboroso.

Depois é só usar onde se quer, no meu caso foi em patês.

De delicias do mar

4 ou 5 palitos de delicias do mar
Maionese

Triturados na picadora 123 a gosto, mais ou menos moido.
depois é só transferir para uma taça e amassar com um garfo e a maionese a gosto


De atum e ovo cozido

1 lata de atum
1 ovo cozido
Maionese

Tudo picado na 123 a gosto e pelo mesmo processo do anterior até obter um patê bem cremoso


De sardinha e pikles

1 lata de sardinha
1 raminho de couve flor em pikles
3 rodinhas de cenoura em pikles
Maionese

E o processo repete-se cá em casa, sempre o mesmo....



De peixe cozido  também fica bom, com pikles ou sem eles, é tudo uma questão de tempero.

E se for de mistura, peixe com delicias ou atum com delicias também fica bom.

Mais elaborado, com pimentos, alho, pão ralado, legumes, tipo milho etc tudo é possível, só depende da imaginação e dos ingredientes disponíveis na altura.


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Bolo de Anjo ou Angel food cake ou ainda bolo nuvem

Comecei este blog há 4 anos por brincadeira e mais para compilar as minhas receitinhas de um modo fácil de consultar, já que tinha vários ficheiros em computador, nada praticos, que tinha que guardar em disketes, discos pens e por aí, tudo muito complicado, para não falar de fotocópias, livros e revistas, enfim um mar de complicações na era da internet e dos ficheiros bem guardados para ver onde quisermos, assim pensei eu, um blog uma excelente ideia e cá está, nunca pensei foi que isto fosse durar tanto e me conseguisse prender como se de uma novela se tratasse, que fizzesse amizades e conhecesse pessoas atraves dele.

Assim para comemorar os 4 anos do blog, o meu aniversário e  para levar para os meus colegas de serviço, um bolo excelente, uma receita que já tenho há quase de 30 anos, porque faz parte do meu primeiro livrinho de receitas escritas á mão, desde os primórdios da minha juventude, já não o fazia praí há uns 20 anos, não por não gostar dele, mas por falta de lembrança e também por ter na memória que precisa de um tipo de fermento esquisito que só se vende na farmácia e que não se encontrava com facilidade.

Este ano lembrei-me dele e fui procurar o dito fermento, -cremor tartaro- não é barato ,mas dá para muitos bolos e desta vez fiz logo dois, um grande e um mais pequeno redondinho.



8 ovos
90 gr de farinha
180 gr de açúcar
4 gr de cremor tartaro

Primeiro bater as claras em castelo bem firme.

Misturar bem a farinha com o açúcar e o tártaro e envolver nas claras com cuidado, mexendo suavemente.

Levar ao forno a cozer em forma untada e polvilhada com farinha. Indicações sobre tempo e temperatura não tinha, cozi a 200º durante 30 min.

As indicações para desenformar é que se deve voltar a forma em cima do gargalo de uma garrafa e deixar assim até arrefecer, eu não tenho paciencia para estas acrobacias e desenformei logo.

Baixou um bocadinho, não sei se foi por desenformar logo ou se estava cozido demais como no caso do molotof.

Com as gemas faz-se um creme de ovos para cobertura.

Para cada gema
1 colher de açúcar
2 colheres de leite

Tudo ao lume brando mexendo sempre até engrossar, não deixar ferver, para não ficar com grumos.

O segundo bolo maior, ainda que com o dobro dos ingredientes, experimentei cozer em menos tempo, aos 25 minutos testei com o palito e já estava bom, baixou muito menos, quase nada.
Fica fofinho e com uma textura algo diferente, nem sei dizer se é humido... delicioso 

domingo, 18 de setembro de 2011

Bavaroise de frutos vermelhos

Ás vezes quando quero fazer um bolo ou doce apetece-me fazer algo diferente, só que por muito que procure não há muitas novidades, ou pelo menos coisas que me despertem muito os sentidos, sou de gostos um pouco restritos e não gosto muito de variar daquilo que gosto e normalmente acabo por fazer muitas vezes os mesmo bolos ou os mesmo doces, por não encontrar nada fantastico que me convença que é muito diferente do que já conheço...

Esta receita foi daquelas que depois de olhar pensei logo que tinha que experimentar e com algumas modificações ficaria bem, encontrei-a no do site da vaqueiro, mas claro que como pensei fiz as minhas alterações, recomendavam meter creme culinário vaqueiro, só que nunca usei e imaginei uma coisa tipo manteiga derretida, logo decidi nem sequer averiguar e substitui por natas que fica sempre bem nestes doces e em vez dos 400ml que recomendava do creme meti só metade das natas e juntei um iogurte natural, que também me parece bem neste tipo de doce.
As 100 gr de framboesas foi um bonus para gastar umas que andavam no congelador e antes que ficassem ressequidas usei-as aqui.



terça-feira, 13 de setembro de 2011

Um bolo... duas versões

Este ano em época de aniversários, meu e do meu menino, a vontade de comemorar é muito pouca, depois do meu pai ter falecido antes do natal e o meu avô antes da páscoa, foi agora a vez do meu sogro, uma época verdadeiramente negra na minha vida e da minha familia.

Mas como a vida segue em frente e há que comemorar essa mesma vida, temos pelo menino a obrigação de manter a cara alegre ainda que o coração não o esteja.

Assim, procurei um bolo que sendo de chocolate, fosse simples de fazer e bom, para levar para a casa da avó no dia da missa de setimo dia do meu sogro que coincidiu com o aniversário do menino, para que o dia não passasse em branco já que ele andava há um tempão a contar os dias para a festinha.
Não havendo festa iria ter os tios e primos para repartir o bolinho.

Deste bolo fiz duas versões, o grande para levar para casa da avó em que usei cacau em pó e um mais pequeno em que usei chocolate em pó para levar para o colégio

Receita base
4 ovos
2 chávenas de açúcar
1 chávena de óleo
1 chávena de leite
2 chávenas de farinha
1 chávena de cacau/Chocolate em pó

Este bolo é muito prático e simples de fazer, principalmente porque não precisa balança, na receita dizia para meter tudo no liquidificador e bater, eu não gosto muito de bater bolos no liquidificador, não sei se é o meu que não é muito potente ou é pequeno, as vezes que tentei, a meio da operação tive sempre que fazer marcha atraz, porque não cabia ou não batia bem, por isso eu prefiro os métodos mais tradicionais.

Bati pela lágica habitual, ovos com açúcar até dobrar o volume e ficar bem fofinho e fui metendo os restantes pela ordem que aparecem na lista de ingredientes, batendo sempre com a batedeira. Neste bolo maior usei cacau para não ficar tão doce, já que iria usar o doce de cereja no recheio.

Foi a cozer em forno a 200º durante 40 min, num tabuleiro untado com manteiga e polvilhado de farinha

Ficou um bolão enorme.

Neste usei como recheio doce de cereja e chantily.
e na cobertura chantilly, cerejas e fios de nutella derretida, na ultima hora ainda levou uns carrinhos que já não apareceram na foto.

A outra versão com chocolate em pó, (usei nesquik) mas fiz metade da dose, porque a turma do menino é muito pequena.

Não meti recheio, fiz uma cobertura com um creme de chocolate.

1 chávena de leite
2 colheres de chá de maizena
2 colheres de sopa de nutella

Desfaz-se a maizena num pouco de leite frio e leva-se o restante ao lume, quando começa a ferver, juntar a maizena e deixar ferver um pouco até engrossar, juntar o chocolate e mexer bem para desfazer e está pronto a usar, fica tipo pudim de chocolate.
A decoração ficou a cargo do aniversariante e mais uma vez os carrinhos foram reis em acidente

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Doce de ameixa com uma pitada de baunilha

Que adoro fazer doces e compotas já não é novidade, se tivesse montes de frutas á disposição teria que ir para o mercado vender, porque não haveria quem consumisse tanto doce.

Este foi mais um de ameixa, este foi feito com uma mistura de duas variedades, umas que tenho na quinta as amarelinhas por dentro e as vermelhas deram-me, como tinha muitas, também dei algumas das minhas e as que não conseguimos comer foram para a panela e fiz um docinho muito colorido.
1kg de ameixas 
500gr de açúcar amarelo
Meia colher de chá de baunilha em pó

Retirei os caroços, mas deixei a pele, parti aos pedacinhos e levei ao lume com o açúcar amarelo e a baunilha em pó.

Deixei cozinhar em lume brando até fazer ponto e o molho ficar espesso.

Retirei do lume e acondicionei logo em frascos de vidro, ficou com uma cor fantástica
Um aroma espectacular, que mistura o aroma da ameixa e o da baunilha, o sabor ficou maravilhosamente suave, com pão de centeio da serra da estrela não há melhor.

sábado, 3 de setembro de 2011

Bolo de cenoura com cheiro a petit gateau de chocolate

Desde que vi este bolo que não me sai da cabeça, já tenho por aí um de cenoura que costumo fazer e por vezes também faço com cobertura de chocolate, porque acho que a cenoura combina muito bem com o chocolate, mas as fotografias deste ficaram mesmo a babar, fez-me lembrar um petit-gateau que eu adoro, aliás adoro tudo que é chocolate derretido e quente, por isso achei a combinação perfeita.

E já que tenho um frasquinho novo de baunilha em pó, tenho que lhe dar uso.

Esta receita tem as medidas dos sólidos em ml e eu medi pelo copo onde meço os liquidos.

Sobre os ingredientes tenho que referir as alterações que fiz, por incrivel que pareça não tinha óleo em casa, já sabia que não iria usar o óleo de coco, porque não se encontra cá, mas nem do normal eu tinha em casa, tal é o uso que lhe dou, substitui por leite, o açúcar usei do normal e a gianduia, já percebi que é a nossa Nutela comercial e foi o que usei, mas usei colheres de sobremesa, porque para o tamanho do bolo me pareceu exagerado as de sopa.

180 gr de cenoura crua descascadas (duas cenouras médias)

3 ovos médios
150 ml de açúcar de cana não refinado
250 ml de farinha de trigo
100 ml de óleo cru ou extra virgem de coco
2 colheres de chá de fermento em pó
1 colher de chá de extrato puro de baunilha
4 a 5 colheres de sopa bem cheias de pasta gianduia orgânica
Boa pitada de sal marinho

Primeiro ligar o forno a 180º  e untar a forma, ou forrar com papel vegetal também untado.

Depois ralar a cenoura no copo misturador ou num processador, se não tiver também se pode cozer e reduzir a puré.

Juntar a farinha, o açúcar, o óleo e os ovos no copo junto com a cenoura e bater muito bem até obter um creme espesso, juntar os restantes ingredientes no copo e misturar mais um pouco.

Verter esta mistura para a forma e por as colheradas da pasta de chocolate, sem misturar muito para depois de cozido o bolo ficarem os ninhos de chocolate derretido.

O chocolate tem tendencia a depositar-se no fundo e se não usarmos o papel vegetal ele fica colado ao fundo da forma.

Ficou excelente, uma consistencia que não é nem seca nem humida, muito bom.
Vou usar estes ninhos de chocolate em outros bolos concerteza, porque adorei a ideia :-)