quinta-feira, 31 de maio de 2012

Pão recheado ou patê no pão

Já vi este tipo de pão em vários sítios, mas um fim de semana destes fui lanchar a casa de uma amiga e ele tinha lá um patê especial e foi a sensação do lanche, uma verdadeira delicia.

Vai daí decidi experimentar, mais ou menos á minha maneira, partindo das dicas da minha amiga me deu sem especificar quantidades.

1 pão tipo alentejano ou outro assim redondo.
1/4 de chouriço
1 fatia grossa de presunto
1/2 pacote de queijo mozzarela ralado
1/2 pacote de mistura de 3 quaijos ralado.
3 colheres de sopa de maionese
1 pitada de gengibre ralado fresco.

Primeiro cortar uma tampa ao pão e retirar o miolo com cuidado para aproveitar e fazer tostinhas.

Na Mycook piquei o presunto e o chouriço e retirei para uma taça.

Juntei a maionese e envolvi muito bem, temperei com o gengibre e envolvi os queijos, que no total somam 200gr.

Enchi com este recheio o pão e por cima polvilhei mais algum queijo.

Levei ao forno até derreter o queijo e tostar o pão que meti em volta do pão no tabuleiro.

Deve-se servir morno, para ter o queijo cremoso.
Ter atenção ao meter no forno, porque se este estiver muito quente vai torrar de mais as tostas e a tampa do pão, que foi o que me aconteceu a mim.

Fica uma entrada ou petisco deliciosa.

domingo, 27 de maio de 2012

A arte lava a alma da sujidade da vida quotidiana

"A arte lava a alma da sujidade da vida quotidiana" 
Pablo Picasso

Este foi o mote para uma exposição, de que já falei aqui e que foi sonhada por uma medica e tornada realidade há já quase dois anos.
Depois o sonho tomou outra forma, a forma de um livro em que se reuniram todas as obras presentes e pequenos textos dos autores, que sendo doentes ou profissionais que lidam com a doença e que não é uma doença qualquer, resultou um livro comovente e para além disso solidário.

É um livro cheio de simbolismo.

"O sorriso que ofereceres, a ti voltará outra vez" 
Guerra Junqueiro.

Este livro teve a colaboração no prefácio do Sr. Dr. António Arnaut e da escritora Laurinda Alves, que estiveram também na apresentação do livro num hotel da cidade e que a tornaram especial.

"Conjugar a esperança e a vontade"
António Arnaut

A parte solidária é que o livro vai ser vendido e o valor obtido vai reverter a favor da Liga portuguesa contra o cancro, que por seu lado também colaborou para que este projecto tivesse pernas para andar.
Para além desta colaboração da liga houve ainda outras participações, no design gráfico e outras, tudo com a boa vontade e disponibilidade de pessoas que conseguem ver mais além do seu umbigo e se conseguem voluntarizar em projectos a favor dos outros.

Como disse a escritora Laurinda Alves, estas é que são as verdadeiras pessoas que são bonitas por fora e por dentro conseguem disponibilizar o seu tempo pessoal e de trabalho a favor dos outros.

De quase todos os quadros presentes na exposição conseguimos tirar algo positivo, a alegria e a cor estão presentes em muitos, o que mostra que a arte é terapêutica, alguns havia em que se nota o peso da doença e o que mais de marcou, foi o que mais marcou a exposição, pelo que foi escolhido para de algum modo fazer a capa do livro, sob a forma de um poster dobrado, que pode ser aproveitado por quem adquirir o livro para o emoldurar se assim entender.

Para quem conhece a realidade de um hospital oncológico ou um serviço de oncologia entenderá bem o quadro, a representação das meninas de lenço, a que acabou de chegar e ainda se maquilha, a que já passou tudo e já chora e a que indo a meio dos tratamentos já olha com desconfiança para a que chora.
Um quadro muito carregado de emoção e simbolismo.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Tarte de frango

Mais uma boa solução para aproveitamento de frango, neste caso é assado, mas pode ser estufado. Uma solução muito saborosa e cremosa, diferente das quiches habituais.
Feita na integra na Mycook, mas muito fácil de adaptar aos métodos tradicionais e para facilitar até se pode usar massa quebrada já pronta.


Para a massa
300gr de farinha
130gr de manteiga
70gr de água
1 pitada de açúcar
1 pitada de sal
Para o recheio
1/2 frango assado
1 lata peq. de cogumelos
550gr de leite
70gr de farinha
40 gr de manteiga
1/2 molho de salsa - substitui por coentros
Noz moscada q.b.

Para a massa deitar no copo todos os ingredientes e programe: 20 segundos vel.6.
Retire e amasse mais um pouco á mão.
Divida a massa em duas partes e estenda uma parte para forrar com ela a tarteira de fundo amovível com cerca de 22 cm de diâmetro e reserve a restante massa.

Para o recheio corte o frango assado em cubos, retirando peles e ossos.

Com o copo lavado meter lá dentro o leite, a farinha, a manteiga e os coentros picados grosseiramente, o sal a noz moscada e programe: 90º durante 8 min a vel.4. se verificar que está muito liquido programe mais 2 min. na mesma temperatura e velocidade até ficar um molho ligeiramente espesso.

Adicione então os cubos do frango, os cogumelos bem escorridos e envolva tudo.

Deite na tarteira em cima da massa.

Estenda a restante massa e com o rolo coloque-a por cima do recheio.

Una bem as pontas e leve ao forno pré-aquecido a 180º durante 15 a 20min ou até ficar bem cozida e douradinha. Sirva acompanhado de salada.
Os coentros fizeram toda a diferença conferem a esta tarte um sabor muito especial, a decoração ficou a cargo do meu artista mais pequeno.

sábado, 19 de maio de 2012

Cheesecake de morango


O meu escuteirinho já é oficialmente lobito, em dia de promessa do meu lobito, numa bonita cerimónia num belo mosteiro cá da cidade apresento mais um Cheesecake.


Nunca tinha feito tantos, mas como tem um fã cá em casa, agora faço e este já está apontado com uma estrela, pela leveza e delicadeza no sabor, muito melhor do que os que são feitos com natas e leite condensado.

Já fiz de manga e este agora foi de morango.

Base
250gr de bolacha digestiva ou integral
70gr de margarina
1 colher de chá de canela
Doce
6 folhas de gelatina
6 claras
150gr de adoçante
300gr queijo creme magro
Cobertura
250 gr de morangos
120 gr de açúcar
4 colheres de sopa de água
1 colher de sopa de sumo de limão.

Para fazer a base triture a bolacha, deite numa taça e junte a canela e a margarina derretida, mexa bem até toda a bolacha estar bem embebida na margarina.
Forre uma forma de fundo amovível com esta farofa e pressione bem e leve ao frigorífico para arrefecer.

Em seguida fazer o doce de morango, para ficar também a arrefecer. Colocar todos os ingredientes numa caçarola e levar ao lume até desfazer a fruta e evaporar todo o liquido, ainda quente retirar 4 colheres de sopa para dissolver a gelatina.
Pode-se usar doce de morango de compra ou outro que se tenha feito na época deles.

Coloque as folhas de gelatina a demolhar em água fria.

Numa tigela bata as claras em castelo, juntando o adoçante pouco a pouco e batendo sempre, eu juntei açúcar mesmo, cá em casa não se usa adoçante, (dizem que engorda -só os gordos é que o comem:-))))

Adicione o queijo creme e 4 colheres de sopa do doce de morango ainda quente, onde se dissolveram as folhas de gelatina, bata bem.

Verta o preparado anterior para a forma sobre a bolacha.

Leve ao frio até solidificar e desenforme. Cubra com o restante doce de morango e sirva decorado a gosto.
Neste meu périplo pelos cheesecakes só ainda não consegui foi retirar a base da forma de aro, será que há algum segredo ou é só empurrar, eu das experiências que tenho só lhe tiro a base já depois de estar metade comido e mesmo assim ainda se parte um bocado, tenho medo que se desmanche tudo a meio.
E lá vem ele de carinha erguida a passar pela praxe dos novatos, levando com os lenços dos mais velhos:-))

domingo, 13 de maio de 2012

Bolo de Hóstia


Claro está que o nome não tem nada a ver com o bolo em causa, mas foi o nome que o meu menino lhe deu, por ser o bolinho que fiz para a sua primeira comunhão.

Como ele não é muito apreciador de bolos muito elaborados e nunca come, fiz este porque ele adora morangos e adora pão de ló, também não é propriamente um pão de ló, mas é um bolo de claras que no aspecto parece e no sabor é delicioso, já está por aí no blog com o nome de Bolo do Miguel, que para o caso nem era o meu :-))

Neste eu fiz algumas alterações, passo a receita tal como fiz desta vez, porque a outra já cá está.

7 claras + 2 ovos inteiros
150 gr de manteiga
280 gr de açúcar
250 gr de farinha
Sumo de 1 laranjas e 1 limão
Raspa de uma laranja
100 grs de coco
1 pacote de natas frescas
Morangos q.b. e bolinhas decorativas.

Bate-se a manteiga com o açúcar até formar um creme homogéneo.
Junta-se os 2 ovos inteiros, o sumo e a raspa de laranja e do limão.
Batem-se as claras em castelo e vai-se adicionando, alternando com a farinha.
No fim junta-se o coco.

Coze numa forma untada e polvilhada com farinha, 200º durante 30 min.

Para o recheio e cobertura eu fiz chantilly e juntei morangos e bolinhas de prata que o meu menino adora...
Mas conseguiu resistir até ao fim da festa e os convidados terem saído, para começar a roubar as bolinhas  e os morangos que ainda restaram.

sábado, 5 de maio de 2012

Sopa de salsa

Há tempos deram-me um molho de salsa biológica tão grande e de folhas tão grandes, verdes e viçosas que imaginei logo que ficariam muito bem numa sopinha, porque já ouvi a minha mãe falar que já comeu sopa de salsa e que era boa.

Fui ao sitio do costume pesquisar se haveria algum requisito especial e descobri que sopa de salsa até é uma sopa típica lá da minha terra a Covilhã, ainda que eu nunca tivesse lá comido nem na minha casa, nem na casa de ninguém..... ás vezes há destas coisas.....

Mais um motivo para experimentar.

Os ingredientes são mais ou menos os mesmos das outras sopas, usando a proporção para o tamanho da panela e quantidade de sopa a fazer e ainda dependendo se gostamos mais ou menos espessa.

3 batatas médias
1 cenoura grande.
1 fatia boa de abóbora
1 molho de salsa
1 ou 2 ovos
Sal e azeite q.b.

Descascar e cortar todos os ingredientes excepto a salsa e meter na panela a cozer com água suficiente, juntar aqui os ovos se os quiser partidos em pedacinhos.

Triturar tudo depois de bem cozido, tendo em atenção retirar os ovos para não triturar a casca e tudo como já me aconteceu na sopa de agrião.

Juntar azeite e sal q.b. e meter a salsa cortada como se fosse para caldo verde, deixar cozer um pouco e mesmo no fim juntar o ovo cortado aos pedacinhos ou se preferir juntar o ovo cru, batido e mexer para ficar em farrapinhos. Eu pela experiência da sopa de agrião, onde meto sempre ovo, gosto mais dele partido do que escalfado

Esta parte do ovo, com a pressa eu esqueci-me, mas para a próxima não falha, porque se fica bem na outra sopa também ficará nesta.

terça-feira, 1 de maio de 2012

Brownies

Há um ano pelo natal uma amiga trouxe-me de presente um tabuleiro com uns Brownies deliciosos e na altura ficou de me dar a receita, só que nunca surgiu a oportunidade e então encontrei esta que me pareceu boa, nos meus catrapázios e resultou magnifica.

É uma daquelas receitinhas que não se pode fazer muitas vezes, porque é viciante e leva uma enormidade de manteiga...

125 gr de chocolate negro 70% cacau
200 gr manteiga sem sal
3 ovos
200 gr de açúcar
130 gr de nozes picadas
100gr de farinha sem fermento

Primeiro forrar um tabuleiro com papel vegetal untado com manteiga

derreter o chocolate com a manteiga em banho maria mexendo sempre.

Bater muito bem os ovos inteiros com o açúcar e envolver o chocolate derretido com cuidado.

Por ultimo envolver a farinha e as nozes picadas grosseiramente, deitar no tabuleiro e sacudir para ficar uniforme.
Levar ao forno a 180º durante 15 minutos e verificar com o palito, que não deve sair seco demais.

Deixar arrefecer e cortar aos quadrados e já está prontinho para comer.

A farinha sem fermento pelo que li algures é mesmo para que o bolo não cresça demasiado e fique mais baixo e húmido.