sábado, 28 de novembro de 2015

Queques de cacau e buttermilk

Continuo a chamar queques aos bolinhos pequenos á boa maneira portuguesa, recuso-me a chamar-lhes muffins ou cupcakes, como se vê por aí na net, muitos nem sabem qual a diferença entre uns e outros, mas é chique chamar assim....

 eu como sempre lhes chamei queques desde pequena, mantenho a tradição...
Estes bem escurinhos ficam muito fofos e saborosos e nada secos.


1,5 chávenas de farinha sem fermento
1 1/4 chávenas de açúcar(metade amarelo)
2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal fino
1/2 chávena de cacau magro em pó
1/2 chávena de óleo vegetal
1  chávena de buttermilk
2 ovos
1 chávena de café quente ou água quente.

Preparar o buttermilk.
1 chávena de buttermilk=1 chávena de leite +1 colheres de sopa de vinagre branco
Depois de misturar, deixar em repouso pelo menos 10 min.

Juntar os ingredientes secos numa taça grande e envolver bem, adicionar a esta mistura os ovos, o óleo e o buttermilk e bater muito bem com a batedeira.

Por ultimo juntar o café quente em fio e continuar a bater a massa.

Deitar a massa em forminhas pequenas e levar ao forno pré-aquecido a 180º até estarem cozidos, mais ou menos 20min.
Mais uma sugestão para lanches de pequenos e graúdos.

domingo, 22 de novembro de 2015

Delicia 3 sabores

Não sou muito adepta de pudins de pacote, nem grande consumidora, mas as crianças gostam mais de coisas mais simples, sem grandes natas e coisas mais elaboradas, a minha sogra costuma fazer este tipo de pudins e o meu Mi gosta.

Resolvi por isso fazer, vi esta ideia por aí e achei que fica bonito, com mais graça do que só um simples.

Estes pudins e cremes em pacote tem a vantagem que se fazem num instante, rapidamente temos uma sobremesa sem grande esforço e fica barato, tem os inconvenientes que já sabemos... aditivos... mas de vez em quando não há grande problema.

Feito assim com vários sabores e em camadas para além de fácil fica muito bonito.

1 pudim de morango
1 pudim de chocolate
1 pudim de caramelo

Fazer os pudins segundo as instruções do pacote.
Por um de cada vez na forma e levar ao congelador para solidificar mais rápido e retirar e deitar em cima os outros com a ajuda de uma colher para aparar o pudim e não entrar para dentro do outro.

É um processo um pouco demorado, porque temos que esperar que fique frio e que cada camada solidifique para por a seguinte.

Depois de frio desenformar e fica assim muito bonito e atractivo para as gulosas crianças, que não lhe dão grande descanso :)

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Compota de ameixa e maçã


Quando vejo receitas de doces por aí que pedem igual peso de açúcar e fruta ou até mais, até fico com os olhos em bico...., este levou 1/3 açúcar do peso de fruta e está doce q.b.

Comprei ameixas no supermercado e não se comiam, de estar nas câmaras frigoríficas ou não sei, eram farinhentas tipo as maçãs vermelhas de antigamente.

Resolvi mete-las na panela e como eram poucas, juntei-lhe umas maçãs e pouquinho açúcar para bem da nossa saúde :)

300gr de ameixa vermelha
300 gr de maçã
200 gr de açúcar
1 colher de café de erva doce

Cortei a fruta em pedacinhos e as ameixas com casca e tudo, meti na panela e meti o açúcar em cima, levei ao lume brando para o açúcar começar a derreter e criar molho para não queimar, depois aumentei um pouco.
Juntei erva doce para varias do pau de canela e fiquei fã, fica delicioso o sabor.
Deixar cozinhar até quase secar o molho e fazer "ponto de açúcar", eu vejo sempre da mesma maneira, levanto uma colher com um pouco de molho e deixo cair, se fizer uma bolinha na ponta tipo açúcar em ponto e estiver grosso, para mim está no pronto.


Ficou com uma cor fantástica e sabor delicioso.

sábado, 14 de novembro de 2015

Ensopado de borrego

Há um tempo atrás fomos almoçar a casa de amigos e o almoço era Ensopado de Borrego e os homens cá da casa adoraram, o maior que nem podia ouvir falar do bicho gostou muito e disse eu também já podia fazer cá em casa. 

Depois de uma dissertação á mesa sobre o dito bicho dizem os entendidos que o segredo é o tempero e  outros que é tirar não sei o quê da perna.....

Como o meu vem directamente do talho já prontinho para a panela, comprei uma parte de um bicho bem pequeno, porque dizem ser melhor e pelo sim pelo não retirei tudo que é bocadinhos de coisas brancas, gorduras, peles e afins... porque para mim é aquela gordura que confere o cheiro que muita gente não tolera neste tipo de carne/bicho.

E fiz á minha maneira

Borrego
Alho
Louro
Colorau
Mistura de pimentas e especiarias
Vinho Branco
Cebola
Polpa de tomate caseira
Azeite

Parti a carne em pedaços médios e temperei de véspera.

Fiz uma pasta com bastante alho esmagado, com as folhas de louro também partidinhas pequenas, o colorau, o sal e um pouco de pimenta moída de um moinho com especiarias e besuntei bem a carne com esta pasta e deixei no frigorífico de um dia para o outro numa caixa fechada, de manhã juntei o vinho branco e deixei mais um pouco.

Meti a carne num tacho com azeite e bastante cebola cortada em rodelas grosseiras e deixei estalar um pouco, depois juntei a polpa de tomate e a restante marinada onde esteve a carne e deixei estufar em lume brando durante algum tempo, até a carne ficar quase a desfazer-se, bem tenrinha e com o molho bem apurado.

Acompanha com batata cozida e salada ou legumes cozidos e a carne vai em cima de fatias de pão torrado, para ensopar o molho que fica delicioso :) daí o nome ensopado :) quem é ensopado é o pão :)

domingo, 8 de novembro de 2015

Bolo de prata

Tinha no congelador tantas claras congeladas que nem sei bem de onde vieram tantas, então ultimamente tenho aproveitado para fazer bolos com elas, em vez de pudins e sobremesas, que era onde antes as costumava utilizar mais, provámos, gostámos e a receita deste veio directamente do meu primeiro livrinho de receitas escritas á mão.

A receita já tem mais de 30 anos e nunca o tinha feito.
Tenho neste livro montes de receitas que nunca fiz, porque sempre que encontrava uma receita que me parecia boa ou alguém me dava uma, escrevia lá e por vezes nem testava, foi agora a altura certa :)

6 claras
100 gr de manteiga
1 chávena de açúcar
1 chávena de farinha com fermento
Sumo e Raspa de um limão/laranja grande


Bater a manteiga com o açúcar até se desfazer e ficar com um creme fofinho, em seguida juntar a raspa e o sumo de limão envolver.
Juntar a farinha peneirada com o fermento e envolver delicadamente.

Bater as claras em castelo com a pitada de sal e adicionar cuidadosamente sem bater á restante massa.

Levar ao forno previamente aquecido a 180º, numa forma de buraco untada com a manteiga e polvilhada com farinha, durante mais ou menos 40 min. confirmando sempre com um palito, porque tudo depende do forno.

Deixe arrefecer um pouco antes de desenformar.

Ficou lindo... a fotografia foi a possível, porque quando dei conta já estava partido.... nem arrefeceu.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Bolo de queijo com cobertura de caramelo

Trabalhar num hospital oncológico tem um quê de deprimente, o contacto diário com doenças graves e com a morte faz-nos pensar e viver muito esse assunto, é impossível alguém abstrair-se disso.

Todos os dias vemos os diagnósticos,  as idades e as caras dos doentes, conversamos com eles.... mas também nos faz ver a vida de outra maneira, cada dia é importante e não vale a pena perder tempo com coisas menores... esta é uma teoria que todo mundo tem, ou pensa que tem.... porque na realidade as pessoas pensam efectivamente é que estas coisas só acontecem aos outros....

E porquê esta conversa num blog de coisas boas?.. é que no meio de tanta coisa má há coisas boas também, uma delas é o contacto com pessoas com uma força e energia positiva que são um exemplo a seguir, principalmente pelos fracos que só se lamentam por quase nada....

Foi o caso de uma senhora que conheci por acaso no hospital e que chegámos á conclusão ter ligações á minha família, convidou-me a ir a casa dela lanchar um dia entre internamentos, só porque a acompanhei e visitei enquanto isso foi possível.

Se me custava ir vê-la, sempre me arrependia, porque vinha de ao pé dela sempre bem disposta e chorava a rir com ela, pois conseguia encontrar humor em tudo em volta dela.

Para o lanche fez um bolinho delicioso e a receita veio comigo, não tive tempo de lhe retribuir o lanche porque a doença foi mais forte que ela.

Mas deixo a receita como memória, porque a época me lembrou disto.

9 ovos
400 gr de açúcar
300 gr de farinha
2 queijos frescos (200gr)
Raspa de1 limão ou laranja
1 colher de chá de fermento

Separar as claras das gemas e bater em castelo e reservar.

Bater as gemas com o açúcar até dobrar o volume e juntar os queijos esmagados com um garfo e a raspa de laranja e bater bem.

Por ultimo envolver a farinha misturada com o fermento alternando com as claras.

Levar a cozer em forno pré aquecido a 200º em tabuleiro ou forma de buraco, ela fez em forma de buraco, eu fiz em tabuleiro, coze mais rápido e como era para aniversário queria fazer uma cobertura, para lhe dar um ar mais festivo. A cobertura não fazia parte da receita, fui eu que fui buscar uma que já tenho por aqui no blog e que é deliciosa, verdadeiro caramelo (rebuçado) não caramelo de açúcar.


Creme de caramelo
1 lata de leite condesado cozido
1 lata de leite condensado
1 colher de manteiga
1 pacote de natas
1 colher de maizena

Misturar os ingredientes todos excepto o leite condensado cozido e levar ao lume a engrossar.
Retirar e juntar o leite condensado cozido e levar mais um minuto até ter a consistência desejada, não deixar ficar duro ou fica pegajoso e agarra-se á faca ao cortar o bolo.