sexta-feira, 25 de junho de 2010

O destino será o sul?....vamos vêr... mas volto logo....

Depois de mais um ano a trabalhar, nada mais reconfortante que umas merecidas férias, este ano vamos até à praia, não era nosso destino habitual, até porque o marido abomina praia e piscinas, mas este ano penso que se vai divertir a encher baldinhos de água e a fazer piscinas e castelos  na areia.

Adivinhem qual será o destino!! pois é fácil não é, o unico onde se pode fazer praia com condições de segurança meteorologica, neste clima desmiolado que temos tido ultimamente, por isso lá vamos nós, esperando que o sol apareça e a chuva não se lembre de ir á festa...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Bolonhesa mista

Ultimamente cá em casa a carne picada tem sido assidua, em almondegas em empadão ou á bolonhesa está muitas vezes, por isso há que ir variando, esta fiz com uma mistura meio esquisita, mas que resultou muito bem no sabor.

250gr de carne de vitela
250 gr de carne de peru
1 chávena de soja granulada
1 cebola grande
3 dentes de alho
Meio copo de polpa de tomate
Meio copo de vinho branco
1 colher de chá de caril
Sal e pimenta q.b.

Primeiro piquei a cebola e os alhos e meti a alourar em azeite, juntei as carnes, o vinho e deixei cozinhar bem, a meio juntei o tomate.
Temperar com sal, pimenta e o caril e deixar apurar, se for necessário ir juntando alguma água para não secar e quase no fim juntei a soja préviamente demolhada e deixei cozinhar mais um bocadinho para a soja incorporar os sabores.

Deu para comer um dia com esparguete e ainda sobrou para fazer um empadão com puré e polvilhado com queijo ralado.



quinta-feira, 17 de junho de 2010

Quiche de camarão e delicias de lagosta

Esta quiche fiz baseada numa que vem no Livro doze meses de cozinha, que leva carne de carangueijo, achei uma solução interessante, para umas delicias/lombos de lagosta que comprei para experimentar e depois nem sabia bem onde os aplicar.

A base da quiche fiz com uma congelada de massa folhada.

Para o recheio

350 gr de carne de carangueijo, eu usei a mesma quantidade mas de delicias, lombos de lagosta e camarão.
3 ovos
1 colher de café de molho inglês, não usei
2 dl de natas
1 colher de sopa de ketchup
Sal pimenta e sumo de limão.

Bata os ovos com o sumo de limão, o molho inglês, o ketchup e as natas.

Junte a carne de carangueijo esmagada ou os mariscos que eu usei mesmo inteiros/fatiados.
Tempere com sal e pimenta a gosto.

Deite este preparado na forma forrada com a base da massa e leve a cozer em forno pré aquecido a 200º durante 30 min.

Fica uma tarte bem leve e acompanha bem com uma saladinha.

domingo, 13 de junho de 2010

Torta com leite condensado cozido


Nunca tinha comprado leite condensado cozido e agora tinha duas latas na despensa, porque vi que tem um concurso, não que eu acredite muito nisso, mas como tenho uma amiga que ganha este mundo e o outro em passatempos, resolvi comprar para participar, e quando dei conta tinha as latas há montes de tempo no armário e até pensei que já tinha passado o prazo mas não, por isso resolvi utilizar uma, mas qual não é o meu espanto a lata foi para o lixo sem lhe retirar o papel ah!! e o talão de compra também já deve ter ido para o lmesmo destino.... sou uma concorrente mesmo boa....

Receitas com leite condensado cozido só me lembrava da baba de camelo e não me apetecia, por isso resolvi fazer esta torta que tinha guardada já há algum tempo em lista de espera.

A receita é do mais fácil possível e o resultado é soberbo

5 ovos
5 colheres de sopa de açúcar
5 colheres de sopa de água
5 colheres de sopa de farinha de trigo
1 colher de chá de fermento
1 Chávena de leite condensado cozido
 
Aqueça préviamente o forno a 200 graus C.

Bater as claras usando a batedeira, até ficar com picos firmes. Uma a uma, adicione as gemas, batendo até ficar bem homegéneo.
Adicione a água e o açúcar e continue a bater até incorporar.

Entretanto peneire a farinha e  o fermento por cima do preparado anterior em toda a área da massa para não afundar, é importante peneirar e ir misturando aos poucos.

Misture delicadamente sem misturar demais.

Forre uma forma retangular com papel vegetal, untado com manteiga e polvilhado de farinha.
Coloque a massa e espalhe para ficar uniforme.

Leve ao forno por 15-20 minutos, até que fique dourado, mas sem cozer demais.

Retire o bolo com o papel da forma e coloque numa superfície plana. Faça um teste, enrole o bolo usando o papel manteiga. Deixe assim por uns 2 minutos. É importante fazer isso com a massa ainda quente.
Eu não fiz esta parte e nem retirei o bolo com o papel, virei para cima de um pano polvilhado com açúcar e cobri logo com o leite condensado cozido e enrolei normalmente como faço para as outras tortas.

Só posso dizer que ficou divina, uma verdadeira tentação viciante, não conseguimos pensar noutra coisa enquanto não acabou, o ultimo pedaço foi até discutido para quem seria.

Claro está que o menino nem provou, lambeu a taça de bater e as varas da batedeira como de costume mas na hora de provar...pois nem sabe o que perdeu...

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Bolo de bolacha e chocolate


Bolo de bolacha é daqueles bolos que penso todo mundo aprendeu e fez quando jovem, era daqueles que todas as meninas aprendiam e as mães até deixavam fazer sozinhas por não ter forno, pelo menos no meu caso foi assim.

Quando eu fazia este bolo de bolacha era com um creme á base de manteiga, gemas e açúcar, uma verdadeira bomba de colesterol, agora vê-se de tudo desde cremes de leite condensado, natas enfim de tudo, eu já esperimentei uma vez uma receita que deu fiasco, tive que transferir tudo á pressa para um pirex fundo e ficou uma sobremesa bem boa.


A tradicional receita de manteiga, penso que depois de casar fiz uma vez se tanto e o marido gosta bastante, mas como é um bocadinho do contra quando se trata de manteigas e gorduras avulso, se não vir fazer adora se vê abomina!!! não lhe faço, este fiz para o meu menino que poucos doces come mas que adora mousse de chocolate :-)

Esta receita achei interessante quando vi no Blog da risonha, fácil e á partida tinha tudo para dar certo, vai daí experimentei.

2 pacotes de bolacha maria
1 pacote de mousse de chocolate
Café solúvel q.b. eu usei daquelas mistas solúveis á base de cevada, tipo 20% café.

Em primeiro lugar fazer a mousse de chocolate como diz nas instruções do pacote.
Depois molhar as bolachas no café e dispor no prato a gosto, eu fiz em forma de flor e alternar bolachas com mousse de chocolate.


Aqui deparei-me com um pequeno grande problema e eu quando faço alguma coisa de novo gosto sempre de referir as dificuldades, para que quem veja não vá a correr fazer sem estar prevenido e pensar que algo não está bem na receita, podia simplesmente postar a fotografia do bolinho bem feito que no final até ficou bonito, mas assim fica já o alerta....

Como o café estava quente á medida que se vai fazendo camadas o chocolate vai derrendo e as camadas vão se desmoronando e foi o mesmo que me aconteceu com um bolo em que o creme era á base de leite condensado.

Por isso penso que uma alternativa será fazer com o café frio, e a mousse bem gelada ou a coisa não funciona, e para além disso não molhar muito as bolachas.

Eu meti na arca congeladora o que já tinha feito e o café e a mousse no frigorifico para ficar bem frio e com cuidado reparei o bolo á medida que foi gelando e até chegou a bom porto o resultado final.

Ficou um bolo muito bom, principalmente para quem gosta de chocolate, cá em casa ficámos fãs, resta-me a dúvida, como ficará com mousse de chocolate caseira :-)

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Bifes com molho de café.

Esta receita retirei do site da vaqueiro um site de que gosto bastante, porque tem coisas boas e bastante fáceis e que para além disso resultam sempre muito bem, esta passei na integra, anotei apenas as alterações que fiz.

80 g de Vaqueiro com Alho, como não tinha usei normal e juntei 2 dentes de alho bem picadinhos.
4 bifes de vaca (tenros)
sal
Pimenta para bife, usei a normal que tenho cá em casa.
1 cálice de Vinho do Porto
1 café forte (± 0,5 dl) fiz com um pacote de descafeinado, por mim que não bebo café e pelo meu menino que também não tem idade para beber.
1 dl de leite

A preparação eu fiz tal qual, apenas alterei os alhos em vez da margarina com.

Derreta metade da Vaqueiro com os alhos picados, quando estiver quente, frite os bifes de ambos os lados até a carne estar dourada, eu fritei em lume forte e durante um curtissimo espaço de tempo, para a carne ficar mal passada por dentro.
Tempere com sal e pimenta e depois retire os bifes para um prato e reserve tapados.

Deite o vinho do Porto na frigideira, mexendo com uma espátula para dissolver os resíduos que ficaram agarrados.

Adicione depois a restante Vaqueiro e assim que estiver derretida junte o café e o leite.

Ponha de novo os bifes na frigideira, regue com o suco que largaram e deixe levantar fervura sobre lume brando, agitando a frigideira de vez em quando.


Sugestão

Acompanhe com batatas fritas ou puré de batata, eu acrescento outra ideia, massinha do feitio que se quiser, também fica bom e mais saúdável, até porque não ensopa o molho :-)


Notas :
Se não quiser fazer café pode usar um pacote de café solúvel, ou o descafeinado como eu fiz.

Se gostar do molho mais espesso, dissolva uma colher de Maizena no leite antes de o juntar ao molho, ou use natas em sua substituição, eu juntei uma colher de chá de maizena, com natas ficaria melhor, mas já tem gordura suficiente no molho.

O molho ficou muito bom e bem ao gosto de quem gosta de café, para mim quando voltar a fazer meto metade da carteirinha do descafeinado, porque ficou com um sabor muito forte.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Pão de queijo

Se me perguntassem o que eu gostei de comer no Brasil eu diria sem pensar pãozinho de queijo, claro que gostei muito de outras coisas, mas pão de queijo eu adorei, lá estavam eles sempre no pequeno almoço/café da manhã, quentinhos mesmo é minha espera, penso que comi todos os dias numa refeição ou noutra ou em todas, fiquei fã.

Por isso andava já há algum tempo com vontade de experimentar e se pensei vai ser este fim de semana fui logo comprar o polvilho necessário, sem vêr qual deles seria mais indicado e quando fui pesquisar uma receita, só encontrava receitas com polvilho doce e só para contrariar, o que eu tinha comprado foi mesmo o azedo
Mas.... como quem tem amigos não dorme em baixo da ponte mandei um SOS á minha amiga Claudia que por coincidência também tinha a receitinha mais fácil das que encontrei e ela respondeu que melhor mesmo é polvilho azedo e eu meti mãos á massa neste caso nem é necessário, porque o liquidificador faz tudo.

A receita foi a que ela encontrou no site de a e que por sua vez encontrou no de b mas penso que a original está mesmo aqui e eu como é uma coisa que tenciono fazer mais vezes copio na integra para aqui com as minhas alterações e quem quiser vêr os intermediarios da receita pode vêr lá.

½ chávena de leite (120 ml)
¼ chávena de azeite (60 ml) eu usei óleo
1 ovo pequeno
1 chávena de polvilho doce, eu usei azedo
2 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado
1 pitada de sal ou a gosto
Flor de sal e alecrim para espalhar sobre a massa, esta parte eu passei

Coloque no copo do liquidificador o leite, o azeite, o ovo, o polvilho, o queijo e o sal, eu usei óleo, porque a Claudia disse lá no blog dela que os meninos não gostaram por causa do sabor forte do azeite, eu como também não gosto muito desse sabor nas bolas de carne, achei melhor mudar para óleo.

Bata bem e distribua em forminhas de empada não untadas.
Os primeiros que tirei logo que sairam do forno estavam um bocadinho colados na forma, não sei se por terem cozido demais ou por estarem muito quentes, porque os ultimos já sairam melhor.

Espalhe um pouco de flor de sal e folhinhas de alecrim por cima e leve ao forno bem quente.
Deixe assar por cerca de 20 minutos. Rende: 24 pãezinhos.

Como dizia forno bem quente durante 20 min, eu liguei o meu forno a 220º e distrai-me no tempo, antes de o relógio tocar, fui espreitar e os pães já estavam dourados, demais parece-me, porque os que comi pelo Brasil eram sempre branquinhos.

A quantidade que deitei nas forminhas também me pareceu demais porque eles cresceram tanto que pareciam uns balõezinhos dentro do forno, também por isso os meus só renderam 17 pães.
Por fora ficaram douradinhos mas por dentro ficaram com a consistência meio elastica e macia que conhecia e ficaram muito bons, o marido disse que sabiam pouco a queijo.
Para a próxima junto mais um nadinha de queijo para ficar com sabor mais forte, talvez o queijo não seja o indicado, porque nos blogs que vi fala muitas vezes em queijo de minas que por cá não há, eu usei mesmo o parmesão que também já não é muito fácil de encontrar por aqui.