domingo, 19 de junho de 2016

Camarão entre o "all ajillo" e o "bulhão pato"

Dizer que este é um camarão all ajillo é pura imaginação, dizer que é á bulhão pato é pura invenção :) este é um camarão entre o frito e o salteado ou seja é um camarão á minha maneira mas que fica uma verdadeira delicia.

É feito com casca ao contrário do all ajilho, mas o modo é semelhante.

Camarão
Alho
Coentros/salsa
Azeite
Sumo de limão

Por numa frigideira funda bastante alho, picado, (eu junto algum inteiro esmagado com casca), azeite q.b. ou seja que tape o alho e sal grosso, quem gostar pode por picantes também, cá em casa não somos apreciadores.
Levar ao lume até o azeite começar a fritar os alhos.

Por os camarões e tapar.

Levar a lume esperto uns minutitos, quando a casca ganhar cor, vira-se e polvilha-se a gosto com coentros picados.
Mais uns minutitos e vai-se mexendo, abanando o tacho tapado e já está.
Por na travessa de servir e espremer por cima um pouco de sumo de limão.

 A cor do molho é natural, não tem mais nada do que o que foi referido

O camarão não precisa cozinhar muito por isso quando digo uns minutos são muito poucos mesmo,  só mesmo o tempo de ganhar cor, porque se não vai ficar seco e agarrado á casca e não há nada mais desagradável ao comer camarão que não conseguir tirar a casca inteira, sem ficar colada e a desfazer-se.

sábado, 28 de maio de 2016

Artisan Bread com farinha de alfarroba

Cá em casa ficámos fãs deste pão e tenho feito todos os fins de semana, não faço mais vezes durante a semana, por falta de tempo mesmo, porque todos gostamos muito.

Ultimamente tenho posto uma colher de farinha de alfarroba, fica mais escurinho com um sabor ligeiramente diferente, faz lembrar o pão de centeio.

1 kg de farinha tipo 65 sem fermento
1 colher de sopa de farinha de alfarroba
700 ml de água
1 colher de sopa de fermento biológico seco
1 colher de sopa de sal (eu corto bastante)

Numa taça grande colocar o fermento, o sal e a água e mexer bem para dissolver.

Juntar a farinha com a farinha de alfarroba e misturar bem para ficar homogénea e juntar tudo na água que já tem o sal e o fermento, mexer com uma colher de pau desde o centro, até toda a farinha das bordas ser incorporada e não haver farinha seca.

Deixar levedar tapado, á temperatura ambiente durante duas horas.

Esta massa está pronta a ser usada ou pode ser refrigerada e aguenta vários dias no frigorífico.

Quando for para ser usada, polvilhar a superfície com farinha e retirar a quantidade de massa que desejar, cortando com uma tesoura ou faca de serra, colocar sem mexer muito em cima de uma superfície enfarinhada e deixar descansar/levedar mais 40 min.

Levar ao forno pré-aquecido em cima de uma terracota ou num tabuleiro normal se não tiver a terracota, sempre polvilhado com farinha de milho ou outra.

Não esquecer colocar dentro do forno um recipiente com água a ferver, isto vai fazer com que o pão fique mais estaladiço e crocante, ao contrário do que possa parecer :-)


domingo, 22 de maio de 2016

Quiche de salsicha branca Alemã

Salsichas é coisa que não entra muito cá em casa, não sou apreciadora e como não trazem nada de bom para a saúde não compro, por principio, só como "veneno" se gostar muitooo, salsichas faz parte desse pacote.
Mas não há regra sem excepção e há umas alemãs que comia em pequena, porque o meu pai trazia de lá e que gosto muito, são umas brancas gigantes, as que os alemães usam habitualmente nos cachorros que se vendem na rua em todo lado, grelhadas ficam muito bem, por cá vendem-se umas semelhantes em embalagens de plástico.
Comprei para grelhar e sobraram duas que resolvi aproveitar para esta quiche, são salsichas muito temperadas, pelo que não adicionei nenhum tempero ao preparado.

2 salsichas de peru grandes
1 cenoura grande
1 cebola
5 cogumelos brancos grandes
1 pacote de natas frescas
3 ovos
1 colher de sopa de farinha
1/2 chávena de leite
Azeite q.b.
Massa folhada de compra


Por a cebola picada a refogar num pouco de azeite e juntar aí a cenoura ralada e os cogumelos também fatiados de modo grosseiro.

Deixar ficar um pouco até os legumes estarem macios.

Meter em cima da base de massa folhada e espalhar.
Misturar as natas com os ovos, a farinha e bater um pouco com uma vara de arames e juntar o leite.
Meter esta mistura por cima do recheio e cobrir com queijo ralado, eu usei mistura de 3 queijos.

Levar ao forno pré-aquecido durante 30 min.

Nesta quiche usei uma base rectangular, porque tinha comprado para outra coisa e ainda estava no frigorífico á espera.

domingo, 15 de maio de 2016

Petinga/Sardinha de escabeche

Petinga ou sardinha de escabeche, um dos grandes petiscos nacionais, servido em tascas e nas melhores casas.

Podia contar algumas histórias acerca destas petingas, boas memórias de lanches e petiscadas onde elas entraram.
Mas a mais engraçada que me lembro foi numa festa de natal do serviço onde em tempos trabalhei e onde havia o costume de fazer uma troca de presentes, uma prenda a sério e uma de brincar (ás vezes a séria era pior que a de brincar...:), para esta prenda de brincar costumava-se tentar encontrar um ponto fraco, ou não, da pessoa que iria receber a prenda e é claro que o sorteio dessa prenda era completamente adulterado, mas ninguémmmm suspeitava dessa adulteração(..... :)

Um belo dia a minha prenda foi uma caixinha com uma broa miniatura (que davam na altura no refeitório desse serviço) e umas sardinhas de escabeche, deram-se ao trabalho de procurar uma tasca para as comprar e isto porquê?..... todos os dias eu olhava para as broinhas e lamentava-me de não ter umas sardinhinhas de escabeche para comer com a broa e de preferência ao pequeno almoço, já que ao almoço por norma não como pão (as sardinhas até iam :)).....

Receita nem sei se precisa, quem não sabe fazer sardinhas de escabeche.... bem mas como tenho por aqui leitores de vários pontos do planeta e de língua portuguesa, resolvi trazer este petisco tão português.

Sardinha pequenina/Petinga
Farinha
Azeite/Óleo
Vinagre
Cebola
Alho
Louro
Colorau

Primeiro passar a sardinha por farinha, como são pequeninas e normalmente muitas, eu encontrei uma técnica, para não passar de uma a uma. 
Meto um bocado de farinha num saco plástico e meto as sardinhas lá dentro, aperto a ponta aberta do saco e abano bem e as sardinhas saem todas envolvidas na farinha.
Depois fritar em azeite ou óleo, cá em casa uso azeite, deixar até as sardinhas ficarem bem crocantes,
retirar e colocar em cima de papel absorvente e transferir para uma taça que possa levar o molho.

Para o molho utilizo azeite novo, há quem faça com o azeite onde se fritou a sardinha, dizem que fica mais saboroso, eu não gosto, penso que esse azeite já está alterado e cheio de substancia perigosas :)

Meto numa frigideira bastante alho picado e cebola cortada ás rodelas de modo grosseiro, uma folha de louro e o azeite, vai ao lume até ficar a cebola dourada e junto colorau  e o vinagre, com cuidado, porque provoca muitos salpicos. Deixar um pouco mais e está pronto.

Deitar este molho em cima das sardinhas e deixar de preferência de um dia para o outro para as sardinhas ganharem o gosto, cá em casa não chegam lá :) (ao dia seguinte :))