segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Boas festas e uma Árvore de Natal especial

Venho hoje desejar umas boas festas a todas as minhas amigas e seguidoras aqui do blog e trazer uma arvorezinha de natal deliciosa, que fiz e para que possam ficar tentadas e experimentar também.

Quando digo deliciosa, nem me refiro ao sabor, mas a toda a envolvência, desde o fazer ao efeito lindooo que resulta.

Esta árvore e uma coroa semelhante vi por aí nas redes sociais, nas mil e uma páginas de culinária, de blogs, de marcas e de um sem numero de outras coisas, que circulam e que se tornam virais como agora se diz, todo mundo faz e testa, a mim alguns ficam-me no olho e não descanso enquanto não experimento.

Uma coisa super simples mas que meu um gozo enorme fazer.

2 placas de massa folhada rectangular
Creme de chocolate a gosto de marca ou caseiro.

Colocar uma placa de massa folhada em cima do papel vegetal que a cobre em cima de um tabuleiro de ir ao forno e com uma faca recortar com a forma de um pinheiro.

Barrar esta placa com creme de chocolate a gosto e sobrepor a outra placa já cortada com a mesma forma.

Cortar o pinheirinho em espinha e depois enrolar cada uma das pontas.

Pincelar com gema de ovo batida e levar ao forno até a massa estar cozida e douradinha e com o chocolate a espreitar pelos lados e torcidinhos. muito bom para petiscar e tirar os raminhos.

Muito fácil, muito bonita até como decoração e muito boa.

Boas festas

domingo, 11 de dezembro de 2016

Panquecas de aveia

Ultimamente as panquecas fazem muitas vezes parte do pequeno almoço dos fins de semana cá em casa, o pequeno adora e para variar do resto da semana que tem que ser tudo mais a correr.
Um dia destes resolvi experimentar com farinha de aveia, já que ultimamente tenho tentado excluir um pouco o gluten da minha dieta, ainda que não alinhe muito em restrições distou ou daquilo e nem seja de introduzir sementes na alimentação cá de casa, só porque é moda,.

Nesta moda alinhei, ainda que só um pouco, porque uma amiga me falou que o gluten interfere em alguns problemas da tiróide e como a minha diz que se cansou de trabalhar há algum tempo, resolvi experimentar sem grande convicção porque a minha médica diz que não tem nada a ver....

1 chávena de farinha de aveia
1 iogurte grego morango
1/2 chávena de leite
2 ovos
1/2 colher de café de fermento
1/2 colher de café de bicarbonato
1 colher de sopa de açúcar de cana


Misturar tudo muito bem e fazer as panquecas,
Nota-se umas pintinhas é da aveia, como foi moída em casa, não a fiz muito fininha, mas fica bem.

Ficaram aprovadissimas, o sabor que a aveia confere ás panquecas é excelente, independentemente da ausência do gluten, ficámos fãs deste sabor, o pequeno nem notou nada e gostou muito.

Encontram-me agora também na minha página de facebook

domingo, 4 de dezembro de 2016

Pizza duas estações

Nas pizzarias vemos normalmente a pizza 4 estações, esta só para contrariar é mesmo só duas estações, a estação do filho que gosta de tudo, mas é muito tradicional nos sabores e a outra estação dos pais que são muito mais aventureiros, não que esta seja muito aventureira, mas tem uns pózinhos de perlim pim pim que o pequeno não aprecia muito.

A massa foi feita no meu super-robot de cozinha, não sou grande utilizadora nem fanática, mas se há coisas que eu adoro e acho estas máquinas perfeitas é mesmo nas massas, seja de pizza ou outras, é um vapt vupt como dizem os nossos amigos brasileiros, nem se dá conta das voltas e a massa sai perfeita, super fácil de moldar, nem se parte, nem se agarra ás mãos estica-se na perfeição uma delicia mesmo.

O sabor perfeito para um jantar de domingo, muito melhor que as das pizzarias, ainda que tenha uns ingredientes menos saudáveis é sempre melhor em casa.

200gr de água
50gr de azeite
sal a gosto eu não meti
40gr de fermento de padeiro ou uma saqueta de fermipan
400gr de farinha

Cobertura
200gr de fiambre
100gr de salpicão
1 lata de atum
meia cebola pequena
meio tomate pequeno
Pimento
Cogumelos frescos
polpa de tomate caseira
1 embalagem de queijo ralado mozzarela
Oregãos a gosto

Meter os ingredientes liquidos e o sal no copo da máquina e programar 1 min.40º vel.2

Adicionar a farinha e o fermento e programar 15 segundos vel.6 seguido de  1 minutos  botão amassar e deixar a massa repousar 30 min, fica perfeita

Esticar bem do tamanho desejado, ou em pequenas pizzas redondas ou no formato do tabuleiro do forno que foi o que eu fiz, em cima de uma folha de papel vegetal do mesmo tamanho para ser mais fácil.



Cobrir totalmente com a polpa de tomate e por cima dispor os ingredientes da cobertura, eu fiz 2/3 da massa com o fiambre e o salpicão, no outro lado meti o atum com um pouco de cebola tomate e pimento cortados muito fininhos e por cima dela toda meti cogumelos laminados e bastante queijo ralado.
polvilhei tudo com oregãos e um fio de azeite por cima.

Vai ao forno pré aquecido a 220º durante aproximadamente 15 a 20 min. e o que sobrou

domingo, 27 de novembro de 2016

Panquecas do Jamie Olivier

Estas são as panquecas mais fáceis, rápidas e sem nenhuma adição de gordura nem açúcar, que conheço, bem ao jeito descontraído e sem complicações do Jamie Olivier e só por acaso bem ao meu jeito também.

De vez em quando faço aos fins de semana para o pequeno almoço, por serem tão rápidas fazem-se enquanto o marido prepara o resto.


1 ovo
1 chávena de leite
1 chávena de farinha

Esta é a receita básica, depois podemos juntar algo a gosto, mas assim só ficam óptimas.
Eu costumo juntar apenas um pitada de baunilha em pó para conferir um gostinho e aroma especial.

O recheio é a gosto, antigamente fazia sempre molho de chocolate para crepes e panquecas, mas agora desisti, o menino come-as sem nada ou polvilha com chocolate em pó, o pai gosta só com açúcar e canela, eu como com compotas de fruta caseira menos colesterólica que o chocolate.
Este doce com mau aspecto é uma combinação deliciosa de maçã com mirtilos, por vezes a fotografia não ajuda, mas que é bom é :)

domingo, 20 de novembro de 2016

Bolo de chocolate e café

Tomando como base a receita do bolo mais fácil de chocolate que já tenho no blog e á minha maneira, retirei o óleo, substitui por leite e acrescentei um sabor novo que eu gosto de combinar com o chocolate, o café.

Como toda a gente que me segue por aqui, já percebeu, não gosto de utilizar muitas gorduras nos bolos, os bolos ficam deliciosos com manteiga e há quem diga que com óleo também...., eu por principio ou corto, ou simplesmente não faço..... e há tempos uma senhora em conversa comigo ria-se desta minha mania e até fez um pouco de chacota com os meus bolos e com as minhas receitas alteradas, mas passado pouco tempo deixou escapar que fez como eu em determinado bolo e correu muito bem......

Como eu costumo dizer cada um que se intoxique conscientemente, por mim não....se os bolos são para comer cá tento ao máximo fazê-los o mais saudáveis que consigo.

3 Ovos
1 Chávena de leite
3 Chávenas de farinha
2 Chávenas de açúcar
1 Chávena de chocolate em pó
1 e 1/2 Chávena de água a ferver
1 Colheres de sobremesa de fermento
1 colher de sopa de bicarbonato
1 colher de sopa de café solúvel

Meter numa taça os ovos, o leite, a farinha, o açúcar e o chocolate em pó e mexer bem com uma colher até não se ver pó nem grumos.
Juntar a água a ferver onde se dissolveu o café e misturar bem.
Por ultimo juntar o bicarbonato e o fermento e misturar bem.

Levar ao forno pré aquecido a 200º em tabuleiro rectangular untado com manteiga e polvilhado com farinha, durante 40 minutos.

Nota:O bicarbonato faz com que o bolo fica bem negro, parece que levou cacau em vez de chocolate e funciona também como levedante, porque neste bolo cortei um pouco e não cresceu tanto.

domingo, 13 de novembro de 2016

Rolinhos de pepino com ricota e tomate seco

Estes rolinhos são uma óptima sugestão para uma entrada fresca de verão.
Vem um pouco fora de época, porque os posts aqui no blog andam um pouco desactualizados, por falta de tempo, não tenho andado muito activa por aqui.
Vou fotografando algumas coisas, se acho que vale a pena ficar guardado para a posteridade para repetir ou só para partilhar e alguém experimentar.

É uma entrada boa mas tem que gostar de pepino, porque o sabor dele fica bem marcado e este não é um alimento muito consensual, penso que há muitas pessoas que não gostam, eu gosto bastante e uso muito em saladas e entradas, o marido não gostava e agora mudou, o pequeno torce um pouco o nariz, mas come....

2 pepinos
150 g de queijo ricota fresco
3 colheres de sopa de leite
15 azeitonas picadas
5 colheres de sopa de tomate-seco picado
1 colher de sopa de azeite
Sal e pimenta à gosto

Pegue num descascador ou outro utensílio mais próprio e corte fatias bem finas do pepino, no sentido do comprimento, eu cortei mesmo com uma faca.

Numa tigela, misture a ricota e com o leite e reserve por 5 minutos, junte as azeitonas, o tomate-seco e o azeite. Tempere a gosto com o sal e a pimenta.

Com cuidado, coloque um pouco do creme numa das pontas da fatia de pepino e enrole, prendendo com um palito, ou enrole primeiro o pepino e prenda com o palito e depois é que enche com o creme
Decore com camarão cozido descascado ou com salmão fumado, estes fiz com camarão, mas também gosto com o salmão.
Polvilhar com pimenta moída na hora ou outras especiarias a gosto.
Está pronto a servir.

sábado, 5 de novembro de 2016

Tarte de massa Filo queijo e frutos vermelhos

Esta tarte fiz para concorrer a um passatempo lançado por uma marca que anda por aí no mercado, não costumo meter-me nestas andanças, porque normalmente há muita gente profissional nisto dos concursos e muitos sabemos que estes passatempos tem sempre grandes interesses comerciais pelo meio e como é óbvio não ganhei, não tenho página pessoal associada ao facebook, não tenho muitos seguidores e nem costumo fazer publicidade só por fazer.....

Resolvi participar neste concurso, porque achei ser capaz trazer algo novo e porque os produtos da marca são produtos que até consumimos cá de casa, o que ganhei foram novas experiências,  aprovadíssimas pelos comensais que as provaram :) que é o que me interessa também.

A minha tarte imaginada com ingredientes ao meu gosto e juntado uma pitada daqui e outra dacoli e que me deu um trabalhão a fazer e a fotografar, não conseguiu competir com umas tortitas de milho daquelas de compra em supermercados enroladas com presunto e queijo com umas folhinhas de agrião.......... mas o júri é soberano e decidiu....

A receitinha que tanto gozo me deu fazer, deixo-a aqui para que fique registada e certamente voltar a fazer porque ficou deliciosa

 e posso dizer como disse o meu filho
-o júri não vai provar mãe, porque se provasse já estava ganho :) e isto para mim foi o melhor prémio.





Para a Massa:
300 gramas de massa filo
50 gramas de manteiga sem sal derretida

Para o Recheio:
500 gramas de queijo ricota
4 ovos inteiros
1 lata de leite condensado
1 lata de leite
1 colher chá de fermento em pó
1 pitada de sal
1 colher sopa de raspa de limão
1 colher chá de baunilha em pó

Para decorar:
Frutos vermelhos frescos

Açúcar em pó
Geleia de frutos vermelhos opcional

Preparação

Para a base da tarte:
Unte, com manteiga derretida, uma forma de aproximadamente 25 cm de diâmetro e de fundo removível. 
Corte a massa phyllo em tiras de aproximadamente 5 cm de largura e acomode cada tira, de forma que cubra o fundo e a lateral completamente. Entre cada pedaço de massa que se sobrepuser, pincele mais manteiga. Assim que cobrir todo fundo e lateral da forma, corte o excesso de massa para que fique rente a ela, eu não cortei.
Para levar ao forno fiz um aro de papel vegetal agrafado do +/- do diâmetro da forma e meti por dentro da massa, para as tiras não cairem para dentro.

Leve ao forno pré-aquecido por cerca de 10 minutos ou até que firme. Retire e deixe arrefecer.



Para o Recheio; 
Num liquidificador ou robot, bata todos os outros ingredientes até que se obtenha um creme homogéneo. 

Despeje cuidadosamente este creme sobre a forma com a massa pré-cozinhada e leve ao forno, moderado, até que fique dourada, firme e o palito sair seco, aproximadamente 40 minutos.


Para a Montagem; 
Desenforme a tarte fria e decore a gosto com frutos vermelhos, açúcar em pó ou mesmo com geleia de frutos vermelhos



A geleia eu deixei ao critério de cada um comer com a geleia ou não, por uma questão de gosto e poupar no açúcar, assim cada um envenena-se ao seu gosto :)


sábado, 15 de outubro de 2016

Douro Património da humanidade e um hotel para relaxar

Como o nome do blog indica, nem só de comida vive o homem e para mim viajar é uma paixão uma espécie de alimento para a alma, adoro sair do país ir á procura de novos mundos e culturas, costumes e gastronomia, conhecer pessoas e lugares, mas também gosto muito de ir para fora cá dentro, como se diz por cá e Portugal tem sítios e paisagens lindíssimas, uma gastronomia muito rica e variada.

Há duas regiões de eleição, sem contar a minha de coração, a terra onde nasci, as minhas preferidas são o Alentejo, pela imensidão das paisagens e o sossego que transmitem e o Douro, exactamente pelo oposto, mas onde o rio é rei, percorrendo entre vales e montes paisagens lindíssimas, nem sei como ainda não lhe tinha feito nenhuma homenagem por aqui, já que todos os anos vamos lá passar uns dias.

 "Em Dezembro de 2001, a UNESCO elevou o Alto Douro Vinhateiro a Património da Humanidade. Um título, atribuído por unanimidade, que premiou a Região vinícola demarcada mais antiga do mundo, decretada pelo Marquês de Pombal, em 1756. Região única por reunir as virtudes do solo xistoso e da sua exposição solar privilegiada com as características ímpares do seu microclima em conjunto com o trabalho árduo do homem do Douro. 
 A sua Paisagem evidencia três aspectos principais: o carácter único do território, a relação natural da cultura do vinho com a oliveira e a amendoeira e a diversidade da arquitectura local. Para além destes aspectos, a candidatura destacou o trabalho notável realizado pelo homem na construção de muros em xisto que prolongam as encostas e, sobretudo, a autenticidade e integridade da paisagem cultural."


A zona tem muito para fazer e visitar, como ficámos na zona de Peso da Régua, deixo sugestões para fazer a partir daí, passeios que já fizemos noutras alturas de viajantes sozinhos.

Com uma criança e um hotel com piscina é mais difícil sair e deixar as mordomias do hotel.

Do cais da Régua saem muitos barcos quer em direcção ao porto quer no sentido oposto, que fazem cruzeiros pelo rio lindíssimos, onde só as paisagens valem a pena.
Estes cruzeiros tem a particularidade de irem subindo e descendo várias eclusas de barragens, uma maravilha da engenharia que permite navegar nos rios mesmo havendo barragens com desníveis enormes. Fazem paragens em quintas, onde se pode visitar as casas senhoriais, adegas com provas de vinhos.

Existem museus bem perto que merecem uma visita "O Museu do Douro", mesmo na Régua , em Amarante o Museu de Amadeu de Sousa Cardoso, onde já fui 2 vezes e em nenhuma o consegui visitar, por um motivo ou por outro.

A" Fundação Casa de Mateus" em Vila real também não muito longe e que merece uma visita.

Existem miradouros muito bonitos dos quais destaco São Leonardo da Galafura.

Quintas e palacetes muitos dos quais estão abertos ao publico


 Desta vez ficámos num hotel muito simpático, mesmo no meio dos vinhedos.


É um hotel muito calmo e sossegado, com tudo que se precisa para descansar, o silencio do local envolvente, a paisagem linda, uma piscina maravilhosa para as delicias do mais pequeno e dos grandes também, para aproveitar ao máximo um Spa e piscina interior, para que não falte água quando faltar o calor, que não foi o caso da nossa estadia.


O hotel é lindo, com uma parte antiga muito bem preservada







 e uma parte mais moderna para maior conforto dos clientes.



O restaurante maravilhoso, um pequeno almoço dos deuses, com tudo que se pode esperar de um bom hotel, pãozinho de vários tipos, doces e queijos regionais, croissants e bolinhos, sumos naturais,.... para almoçar e jantar, oferece uma cozinha requintada com pratos típicos portugueses, mas com um toque de modernidade e cozinha de autor.






Nada a apontar ao hotel, um 5* com muito requinte num ambiente descontraído, sem os "salamaleques" de hotéis de luxo e onde a tranquilidade impera.

Para quem quiser comer fora do hotel, aproveitando os passeios, a região é riquíssima, tem muito bons restaurantes, onde se come muito bem. 
Para reservar este hotel sempre através do Booking, fácil rápido e seguro e na maior parte das tarifas não cobra o dinheiro antecipadamente, pagamos só no hotel

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Nem artes, nem viagens e nem sabores

Hoje trago aqui um assunto diferente.

Alguém das minhas amigas e seguidoras em portugal estaria interessado em colaborar com a Yves Rocher e ganhar um dinheiro extra ? :) 

É uma "parceria" muito mais efectiva do que as parcerias que se fazem por aqui nos blogs :) lucro de 30% directo, a maior margem de lucro em vendas por catálogos em portugal (a partir dos 35 euros de produtos encomendados no catálogo :))

Há mais de 20 anos sou vendedora da Yves Rocher, ainda que não me ache uma grande vendedora....., uma das chefes disse-me há algum tempo que até sou, sou das mais antigas em portugal, pelo tempo de permanência sempre activa.

A yves Rocher é uma marca de referencia, líder em França, possui mais de 30 milhões de clientes no mundo, na maior parte dos países da Europa é vendida em lojas, portugal optou por vender apenas por catálogo.
São produtos de origem vegetal e muitos deles provenientes de agricultura biológica de plantações que a fundação tem espalhadas pelo mundo, são amigos do ambiente e não testam em animais..... para além disso é a marca que mais trabalha a favor da saúde e é a que menos produtos tóxicos utiliza.

E porque me mantenho activa..... porque gosto mesmo muito destes produtos, as linhas de rosto e protectores solares para mim são dos melhores que existem no mercado, são mesmo muito bons.
Os restantes produtos, gosto muito e cá em casa usamos bastante, cremes de corpo e mãos excelentes, gel de banho e desodorizantes..... 

enfim um mundo de variadas escolhas a preços muito bons nas campanhas há produtos mais baratos do que os que se vendem no supermercado e a qualidade muito melhor.

Todos os clientes que tenho são sempre fiéis, porque assim que conhecem os produtos nunca mais deixam de me pedir, eu nem preciso mostrar o catálogo.

Esta conversa toda aqui no blog, porquê :) 

Há algum tempo foi-me proposto formar um grupo meu, mas para isso eu tenho que recrutar pelo menos 10 colaboradoras e essas 10 colaboradoras para ficarem efectivas no grupo, só teriam obrigatoriedade de fazer uma primeira encomenda de um valor determinado (não muito grande) para que o grupo ficasse activo e depois só encomendariam quando assim o entendessem

O que posso adiantar é que a percentagem de lucro (ou desconto para si própria) é de 30% o que é muito bom há marcas que para pequenas encomendas só oferecem 10%.

Simples assim, fazendo uma encomenda de 100€ lucramos 30€ e não é preciso muito para fazer essa encomenda acreditem :)

Para além disso há prémios mensais e prémios acumulados, que depois podemos utilizar para nós ou utilizar para vender ou oferecer a alguém em alguma data.

Cada colaboradora pode definir os seus objectivos, ganhar muito vendendo a outras pessoas ou apenas comprar só para si e não tem encomendas obrigatórias mensais, apenas quando fizer uma encomenda tem que pedir no mínimo 35 euros, muito fáceis de fazer :) em creme, desmaquilhantes, desodorizantes e champos para o mês e já está :)

Deixo o link do catálogo que está em vigor agora até dia 2 de Setembro, para darem uma olhada e ter uma ideia dos preços e promoções que aparecem.


Se alguém estiver interessado, pode entrar em contacto comigo pelo formulário de contacto que tenho na lateral do blog ou mesmo deixando aqui nas mensagens alguma forma de contacto.

Obrigada pela atenção a este post de hoje :)
Imagem retirada da net


Souflé de peixe

Cá em casa todos gostamos muito de peixe, mas para não apreciadores e para quem tem crianças que resingam para o comer, assim ele fica escondidinho.

É uma maneira diferente, muito soft, que normalmente agrada a todos pela sua leveza e sabor  e para além disso a apresentação também é bonita, coisa que a dona de casa também aprecia.

É uma receita muito fácil de fazer nos robots de cozinha, eu fiz no meu, os tempos utilizados são para o meu, mas sei que agora há muitos diferentes, cada um pode adaptar ao seu.


400 gr de medalhões de pescada ou postas
1 mão cheia de camarão descascado
1 cebola
3 dentes de alho
5 ovos
300 ml de leite
35gr de farinha
1 colher de sopa de margarina
Sumo de 1 limão
Coentros, sal e pimenta a gosto.

Descongelar a pescada e temperar com sal e limão algum tempo antes.

Primeiro com o copo seco, bater as claras em castelo.
Meter as claras no copo lavado e seco, programar 5 min vel.4 com a borboleta.
Retirar e reservar numa taça.

Colocar a cebola e os alhos descascados cortados em pedaços no copo do robot e triturar vel.5 durante 5 seg. Juntar a margarina ou azeite  programar 3 min a 120º vel. 1, juntar a farinha o leite e programar 5 min, vel.3 temp. 100º.

Adicionar as gemas, o peixe, o camarão e os coentros picados de modo grosseiro, rectificar o tempero e programar 2min vel.5 temp.100º.

Retirar do copo, reservar.

Misturar as claras delicadamente no preparado do peixe e levar ao forno pré-aquecido a 160º numa forma de porcelana própria untada com margarina e polvilhada com pão ralado, durante 40 min, ou até verificar a cozedura. Se tiver formas próprias individuais é o ideal.

Retirar e servir imediatamente.
Com uma salada mista fica muito bom.

domingo, 26 de junho de 2016

Mousse de chocolate sem....quase nada

Acho engraçado as dietas que circulam por aí na net, bolos sem ovos, sem farinha, sem açúcar e sem..... sei lá mais o quê, sem quase nada....

O leite passou a bebida de soja e agora já vai nas bebidas de arroz, amêndoa..... 
O açúcar que foi substituído pelo amarelo, passou a mascavado e agora depois de passar por frutoses já vai na Stevia

Enfim, pressão do marketing é tal que agora toda a gente até é alérgica a alguma coisa, ao gluten, á lactose e sei lá a que mais, mesmo sem diagnóstico médico, vamos deixando de comer porque somos alérgicos e os produtos sem esses nutrientes ainda que caros, vendem como chocolate.

E por falar em chocolate, encontrei esta mousse por aí e eu que nem sou muito de embarcar nesse tipo de restrições da moda, achei esta mousse "engraçada" porque esta é mesmo sem quase quase nada :).

Leva mesmo só o chocolate e água, o chocolate tem que ser de excelente qualidade e no mínimo ter 70% de cacau, para emulsionar com a água, porque ou não resulta.


150gr de chocolate negro 70% cacau
1/2 chávena de chá de água.
Cubos de gelo

Meter cubos de gelo numa taça com água e dentro desta meter outra taça de inox ou vidro para ir arrefecendo.

Meter a água com o chocolate partido num tachinho ao lume  para derreter, mexendo sempre, o chocolate vai derreter, mas não se mistura muito bem com a água.

Quando estiver todo derretido transferir para a taça que está em cima dos cubos de gelo, bater muito bem, até fazer uma emulsão (mistura de gordura com água) e obter um creme, não bater demais para não ficar duro.

Transferir para uma taça de servir grande ou tacinhas pequenas está pronto a servir.

Diz nas receitas que, se se deixar de um dia para o outro e separar duas fazes, é só bater mais um pouco, eu deixei no frigorífico e não separou nada.

O meu ficou no frigorífico, porque ninguém apreciou muito, fica muito amargo e os gulosos cá de casa, gostam de coisas mais docinhas, no dia seguinte dei-lhe um toque diferente e já ficou melhor.

Juntei bolacha maria ralada e natas em chantilly por cima, coisa que já costumo fazer com as mousses normais e resulta bem
Não voltei a fazer, mas provavelmente se fizer com chocolate com menos cacau talvez fique melhor.

domingo, 19 de junho de 2016

Camarão entre o "all ajillo" e o "bulhão pato"

Dizer que este é um camarão all ajillo é pura imaginação, dizer que é á bulhão pato é pura invenção :) este é um camarão entre o frito e o salteado ou seja é um camarão á minha maneira mas que fica uma verdadeira delicia.

É feito com casca ao contrário do all ajilho, mas o modo é semelhante.

Camarão
Alho
Coentros/salsa
Azeite
Sumo de limão

Por numa frigideira funda bastante alho, picado, (eu junto algum inteiro esmagado com casca), azeite q.b. ou seja que tape o alho e sal grosso, quem gostar pode por picantes também, cá em casa não somos apreciadores.
Levar ao lume até o azeite começar a fritar os alhos.

Por os camarões e tapar.

Levar a lume esperto uns minutitos, quando a casca ganhar cor, vira-se e polvilha-se a gosto com coentros picados.
Mais uns minutitos e vai-se mexendo, abanando o tacho tapado e já está.
Por na travessa de servir e espremer por cima um pouco de sumo de limão.

 A cor do molho é natural, não tem mais nada do que o que foi referido

O camarão não precisa cozinhar muito por isso quando digo uns minutos são muito poucos mesmo,  só mesmo o tempo de ganhar cor, porque se não vai ficar seco e agarrado á casca e não há nada mais desagradável ao comer camarão que não conseguir tirar a casca inteira, sem ficar colada e a desfazer-se.

sábado, 28 de maio de 2016

Artisan Bread com farinha de alfarroba

Cá em casa ficámos fãs deste pão e tenho feito todos os fins de semana, não faço mais vezes durante a semana, por falta de tempo mesmo, porque todos gostamos muito.

Ultimamente tenho posto uma colher de farinha de alfarroba, fica mais escurinho com um sabor ligeiramente diferente, faz lembrar o pão de centeio.

1 kg de farinha tipo 65 sem fermento
1 colher de sopa de farinha de alfarroba
700 ml de água
1 colher de sopa de fermento biológico seco
1 colher de sopa de sal (eu corto bastante)

Numa taça grande colocar o fermento, o sal e a água e mexer bem para dissolver.

Juntar a farinha com a farinha de alfarroba e misturar bem para ficar homogénea e juntar tudo na água que já tem o sal e o fermento, mexer com uma colher de pau desde o centro, até toda a farinha das bordas ser incorporada e não haver farinha seca.

Deixar levedar tapado, á temperatura ambiente durante duas horas.

Esta massa está pronta a ser usada ou pode ser refrigerada e aguenta vários dias no frigorífico.

Quando for para ser usada, polvilhar a superfície com farinha e retirar a quantidade de massa que desejar, cortando com uma tesoura ou faca de serra, colocar sem mexer muito em cima de uma superfície enfarinhada e deixar descansar/levedar mais 40 min.

Levar ao forno pré-aquecido em cima de uma terracota ou num tabuleiro normal se não tiver a terracota, sempre polvilhado com farinha de milho ou outra.

Não esquecer colocar dentro do forno um recipiente com água a ferver, isto vai fazer com que o pão fique mais estaladiço e crocante, ao contrário do que possa parecer :-)


domingo, 22 de maio de 2016

Quiche de salsicha branca Alemã

Salsichas é coisa que não entra muito cá em casa, não sou apreciadora e como não trazem nada de bom para a saúde não compro, por principio, só como "veneno" se gostar muitooo, salsichas faz parte desse pacote.
Mas não há regra sem excepção e há umas alemãs que comia em pequena, porque o meu pai trazia de lá e que gosto muito, são umas brancas gigantes, as que os alemães usam habitualmente nos cachorros que se vendem na rua em todo lado, grelhadas ficam muito bem, por cá vendem-se umas semelhantes em embalagens de plástico.
Comprei para grelhar e sobraram duas que resolvi aproveitar para esta quiche, são salsichas muito temperadas, pelo que não adicionei nenhum tempero ao preparado.

2 salsichas de peru grandes
1 cenoura grande
1 cebola
5 cogumelos brancos grandes
1 pacote de natas frescas
3 ovos
1 colher de sopa de farinha
1/2 chávena de leite
Azeite q.b.
Massa folhada de compra


Por a cebola picada a refogar num pouco de azeite e juntar aí a cenoura ralada e os cogumelos também fatiados de modo grosseiro.

Deixar ficar um pouco até os legumes estarem macios.

Meter em cima da base de massa folhada e espalhar.
Misturar as natas com os ovos, a farinha e bater um pouco com uma vara de arames e juntar o leite.
Meter esta mistura por cima do recheio e cobrir com queijo ralado, eu usei mistura de 3 queijos.

Levar ao forno pré-aquecido durante 30 min.

Nesta quiche usei uma base rectangular, porque tinha comprado para outra coisa e ainda estava no frigorífico á espera.