sábado, 1 de dezembro de 2007

Cuba livre.....

Normalmente quem decide os destinos de viagem sou eu, mas como somos dois e o marido também tem direito de escolha no verão de 2006 resolvemos ir até Cuba, eu não tinha interesse especial nessa ilha, mas como as caraíbas até seria um destino que me agradava lá fomos.


Deixo esta musica que me ficou na cabeça para ouvir enquanto se vê as fotos

Fomos num programa que incluía 3 dias em Havana por nossa conta e 4 dias em Varadero num hotel com tudo incluído. 

O primeiro destino foi Havana e a primeira impressão foi - o que vamos fazer aqui em três dias!!!, porque no caminho do aeroporto para o hotel fomos vendo uma cidade que parecia ao abandono, onde o tempo parou nos anos 60 e nunca mais ninguém construiu nada de novo, para além de hotéis.

Essa impressão logo se desvaneceu assim que saímos a pé para explorar a cidade

Ficamos instalados no hotel Meliá cohiba 5* situado no Malecon (av. marginal) muito bom, 5* mesmo, ao melhor nível europeu e a comida excelente, único inconveniente, fica apenas um pouco longe do centro histórico.
Para consultar outras opções no booking temos várias, eu se fosse outra vez tentava ficar no Hotel nacional, edifício histórico e onde ficaram todas as figuras importantes que visitaram Havana


Vista do hotel - Zona do vedado





O Malecon em frente ao hotel, tudo limpissimo, degradado e velho mas...



Depois da primeira impressão, não desanimamos e logo que deixamos as malas no hotel com mais de doze horas em transito, partimos à descoberta e saímos em direcção à praça da revolução.
Tinha que ver a mítica fotografia do Che na parede.




E do outro lado da Praça da revolução o Monumento a José Marti herói nacional Cubano


Achei a cidade bonita, com edifícios muito bonitos, mas a maioria muito degradados e a precisarem de uma boa reforma, mas mesmo nas zonas mais degradadas, a paz impera, segurança máxima.


A minha vista do capitólio com o teatro nacional ao lado


O Teatro Nacional obra de arquitectura imponente


A Catedral


Cubanitos vestidos a rigor, uns para a foto, outros nem por isso, mas os charutos sempre a postos




Um Museu a céu aberto e circulante, um parque automóvel fantástico em que por vezes só a carapaça está bonita, porque por dentro nem forras das portas tem





Outros meios de transporte públicos



Circulando pela cidade mais uma vez tudo limpo, as pessoas todas na rua e sentadas à porta,  segurança máxima, nada de gente com ar de bandido e nem assaltos, musica por todo lado, na rua, em bares...





Explanadas com algum charme na zona do capitólio

Musica por todo lado


Hotel ambos mundos onde Ernest Hemingway se alojava




E como não podia deixar de ser para deixar Havana, um dos milhares de painéis, que se vê por lá e um pouco por todo lado na ilha, uma lavagem de cérebro permanente, os cubanos estão de facto com a revolução, uma frase que se ouvia por todo lado.




Vale de Vinhales e Pinar del Rio

Durante a nossa estadia em Havana aproveitámos para comprar uma excursão no hotel, para visitar uma zona no interior da ilha, para ver como são as coisas longe da zona de turismo de massas e foi ao vale de Vinhales e Pinar del Rio.

Excursão de um dia inteiro a partir de Havana, com almoço incluído num restaurante típico muito bom.
Este vale fica na zona mais ocidental de cuba e é uma zona de grandes plantações de tabaco.
Para além disso é uma zona com características geológicas próprias, umas formações rochosas que se elevam abruptamente da planície os Mogotes Megaliticos.

Formam uma paisagem muito bonita e muito verde, como de resto um pouco por toda a Ilha.





A cova do índio, umas grutas onde os índios se escondiam (ou talvez não) e que se visitam, metade a pé e metade de barco, uma visita muito agradável.



Um suco de cana natural, espremido mesmo á porta da gruta naquela máquina ferrugenta, mas para refrescar e esquecer um pouco a temperatura elevada e principalmente a enorme humidade, nem isso interessa e soube muito bem.





O mural da pré-história, maior pintura rupestre conhecida, só que não é do paleolítico mas moderna


Para além disso visitámos Pinar del rio uma povoação típica, onde a arquitectura colonial está bem presente






E uma galeria de arte


Uma escola primária onde se vislumbra uma fotografia na parede lá dentro.... El Che


Um cubanito sempre de charuto na boca ou em grande estilo Buena Vista Social Club

Falta uma fotografia que não pude tirar porque nos "confiscaram" as câmaras á entrada e que é do interior da fábrica de tabacos que visitamos. Talvez pelas condições miseráveis em que trabalham as pessoas na maior parte da fábrica, porque na zona onde os charutos estão já embalados e prontos para vender e pelas condições em que devem estar armazenados, parecia uma loja de primeiro mundo com temperatura controlada.

No regresso a havana e pelo campo, uma casita tipica de secagem de tabaco



Palmeiras barrigudas


Varadero

Pouco tem para dizer, para além de ser uma estância de praia onde existe uma espécie de fronteira e em que os cubanitos não entram, aliás entram os que trabalham nos hotéis, o resto é o exagero do tudo incluído nos hotéis.

O hotel onde ficamos alojados o Iberostar Varadero, simplesmente espectacular e quando se paga bem mas se fica bem vale a pena.
Para ver outras sugestões em Varadero pesquisar no booking

Neste tipo de hotéis gama alta com o regime tudo incluído é um verdadeiro exagero em que nem conseguimos ler um livro descansados na espreguiçadeira, sem que esteja de minuto a minuto um empregado a passar com uma bandeja de sumos, divinos por certo, mas exagero...



Musica sempre


Arte na cozinha e a comida fabulosa e variada



Até leitão à cubana, não não é à bairrada, mas era excelente



Animação, espectáculos e musica...



O hotel


A piscina do hotel

 




A praia, areia branca e fininha, água a 30º maravilhosaaaa






A baía em frente ao hotel, visto do hotel Paradisus


Hidroginástica


Animação na praia


Restaurantes temáticos, neste caso Japonês


Outra vista da piscina
Lobby

A feirinha em varadero também mereceu uma visita, no comboito inter-hoteis de meia em meia hora é muito fácil ir lá comprar quinquilharias



Os miminhos sempre presentes no quarto







Mais um espaço de relax


Uma coisa que não passa despercebido na cidade em Havana é a limpeza, no meio de tanto edifício degradado, não se vê lixo no chão, muita segurança, muita policia e no geral tudo muito tranquilo.
Anda-se tranquilamente à noite na cidade, em zonas com aspecto degradado e com pouca iluminação, coisa que nas nossas grandes cidades seria impensável fazer isso.

Outra coisa é a alegria e simpatia daquelas gentes, que aproveitam bem o turista para pedir tudo, desde canetas, camisolas a um pacote de leite, eu como já sabia, aproveitei para levar uns dois kg de canetas da propaganda médica que temos de sobra e T-shirts usadas para dar e foi um sucesso.

Uma coisa de que não gostei foi da comida em restaurantes fora dos hotéis, pouco variada, aliás só vi frango e um arroz com feijão e banana frita para acompanhar, os funcionários muito lentos, demorámos horrores para sair de cada um, quando se tem uma cidade para descobrir todo o tempo é precioso.


Cuba um dos países que não me importava de repetir se o mundo não fosse tão grande

já seguem a minha página Cininha

Sem comentários:

Enviar um comentário

Não passe sem deixar um miminho :)