segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Filhós de natal

Estas filhós são talvez a coisa mais tipica da minha zona no natal, estas deste ano ficaram com uma consistência um bocadinho diferente do que é habitual, porque foram feitas pela senhora que toma conta do meu pai e que fez muito diferente das que eu estava habituada
Como a minha mãe não as queria fazer eu decidi que as faria eu com a ajuda da senhora se ela as soubesse fazer e ela disse que sim não sei se para me fazer o jeito ou porque as faz mesmo assim.
Esta receita e modo de fazer é a que fizemos.
25 grs de fermento de padeiro
1 dl de leite
2kg de farinha de trigo
1 colher de chá de sal
14 ovos
2 e 1/2 larajas
1 dl de azeite
1 dl de aguardente bagaceira
Óleo para fritar
Açúcar e canela para polvilhar q.b.

Confecção :
Dissolve-se o fermento no leite morno e junta-se-lhe um pouco de farinha, o sal e mistura-se de modo a obter uma massa branda. Deixa-se repousar durante 15 minutos.

Entretanto junta-se o sumo das laranjas, com a aguardente e o azeite e leva-se ao lume a ferver.

Deita-se num alguidar os ovos e bate-se bem com a batedeira, adiciona-se aos poucos a mistura dos liquidos quentes sempre a bater.

Continuando sempre a bater com a batedeira vai-se juntando a farinha também aos poucos até a máquina conseguir, depois junta-se o resto da farinha e da mistura do fermento e amassa-se á mão muito bem até a massa fazer bolhas.

Depois polvilha-se bem com farinha e vai-se envolvendo até fazer despegar a massa do alguidar.

Abafa-se a massa e deixa-se levedar durante 4 horas em local quentinho.

Depois é só pegar em pequenas bolinhas de massa com as mãos untadas em azeite e tender a massa de modo a ficar fininha e de forma redonda e fritar em oleo bem quente virando dos dois lados.

Depois é só polvilhar a gosto com uma mistura de açúcar e canela.

A grande diferença do que eu me lembro da maneira como a minha avó fazia, é mais no modo, porque receita nunca apontei mas os ingredientes eram estes, devia pensar que a minha avó durava sempre e também porque ela fazia quase tudo a olho.
Ela deitava em primeiro a farinha no alguidar e depois ia juntando o resto dos liquidos e ovos e amassava tudo á mão, não havia batedeiras electricas pelo meio.
O primeiro passo destas que fizemos era substituido por um pão em massa que se encomendava na padaria ao mesmo tempo que se encomendava o fermento de padeiro.
A receita e os braços que amassavam já estão longe, por isso temos que nos contentar com estas que ficam com uma textura mais fofa e menos estaladiça.

7 comentários:

  1. oi Alcina, infelizmente os filhós ainda não são tão populares no Brasil, é uma pena pois são uma delícia, Parabéns pelo blog, muito sucesso, Ronaldo Rossi

    ResponderEliminar
  2. Pois Alcina, desde que a minha avó adoeceu k ando a chorar pelas filhoses dela.. Nunca mais comi agual :)... Lá têm os segredos delas...
    bjinhus

    ResponderEliminar
  3. Alcina nunca mas mesmo nunca nos esquecemos dos sabores das memórias.Claro nunca são iguais,mas essas foram feitas com carinho e ficaram lindas.Beijinhos com muito carinho

    ResponderEliminar
  4. Olá

    Obrigada pelas suas palavras.

    Já vi que ambos temos gosto pelas artes (no meu caso sobretudo pintura)o que, para além da cozinha me fará passar por aqui mais vezes.

    ResponderEliminar
  5. Os doces da minha avó também são únicos...as avós têm os segredos delas ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Alcina,
    adoro estas filhoses, mas na terra do meu pai não se fazem assim. Provei-as através da mãe de uma aiga que é da zona de Castelo Branco. Gostei tanto que ela vem-me trazer umas todos os natais. :) E eu...regalo-me.
    Bjs.
    Susana

    ResponderEliminar
  7. eu nunca fiz e nao me vou pôr a fazer :-) muito trabalho. mas como a minha mae as faz, nao há problema. as tuas ficaram lindas, mesmo nao sendo a receita que conheces.

    ResponderEliminar

Não passe sem deixar um miminho :)