terça-feira, 29 de março de 2011

Olha a bela quiche de farinheira e não só

Já há muito tempo que não fazia uma :-) por isso cá está mais esta que por certo é novidade, porque tem ingredientes nunca antes usados e eliminei as natas da base e resultou bastante bem.

O segredo é sempre o mesmo umas sobras e aproveitamentos que normalmente não dão para mais nada e custa deitar fora, pelo menos a mim custa-me...neste caso foi mesmo umas sobras de sobras de cozido.

Então

meia batata
meia cabeça de nabo
umas farripas de grelos
meia farinheira
um quartinho de chouriça caseira
três tubos de palmito.

para a base uma placa de massa folhada

4 ovos
um copo (200ml de leite)
2 colheres de sopa de farinha
queijo mozzarella q.b.

Partir tudo em cubinhos  e dispor na tarteira forrada de massa folhada.

Os tubos de palmito aparecem aqui um pouco desenquadrados, mas há algum tempo congelei uns que me sobraram de um frasco que comprei e quando lhes fui mexer, estavam com um aspecto esquisito, na textura e mesmo a cor estava um branco meio transparente, pelo que entendi não dariam para comer cru, mas ao preço que se vendem por cá era uma barbaridade deitá-los fora e ficou muito bem no meio do resto, para nós, porque o mais pequeno disse que não gostava nada daquelas coisas que se comem no brasil :-)

Bater os ovos com a farinha, juntar o leite e temperar a gosto. Deitar este preparado com cuidado em cima do resto e polvilhar com queijo ralado a gosto.

Levar ao forno e a minha ficou pronta em 30 minutos com o forno pré-aquecido a 230º
E ficou suculenta q.b. mesmo sem as natas e para quem não sabia, nem deu conta de nada.

sábado, 26 de março de 2011

Feijão frade com grelos e outros

Este é um acompanhamento que faço de vez em quando cá em casa, principalmente nesta época em que há muita variedade de grelos e espigos de nabo e couve, não é própriamente uma receita, mas uma sugestão, porque por vezes a imaginação falta e acontece muitas vezes questionar-nos do que fazer e fazemos sempre o mesmo.

Uma coisa super fácil e super rápida, principalmente se se usar feijão de lata já cozido, um acompanhamento para variar das batatas, arroz e massa, uma variante ás migas, porque nem sempre temos broa.

Basta aquecer uma lata de feijão frade, cozer os grelos e neste caso ovos.

Juntar o feijão com os grelos, temperar generosamente com azeite e dispor por cima os ovos picados ou em quartos e o atum.

Pode servir de acompanhamento também para peixe frito ou grelhado, ou mesmo carne grelhada.

Cá em casa os homens adoram, eu não aprecio muito estes feijões, mas até já me habituei ao sabor e já como bem.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Iogurtes com leite condensado

Mais uma experiencia na máquina, li algures que ficavam uns iogurtes cremosos e decidi experimentar.

A receita é a básica do costume, com uma ou outra variante.

1 litro de leite meio gordo
3 colheres de sopa de leite em pó
3 colheres de sopa de leite condensado
1 iogurte natural

Primeiro aquecer o leite sem ferver até conseguir aguentar o dedo lá dentro

Juntar os restantes ingredientes e mexer bem ou bater com a varinha.

Deitar nos copinhos e levar á iogurteira durante mais ou menos 8 horas e deixar depois no frigorifico até arrefecer bem e solidificar.
Ficaram com um docinho muito suave, muito agradáveis.

domingo, 20 de março de 2011

Bolo Fondue de chocolate

Esta receitinha de bolo de chocolate foi a minha amiga Ana que me deu, só que as alterações foram tantas que nem sei se devia passar a dela, mas fica o registo para mais tarde voltar a tentar fazer direitinho.
Por norma eu já gosto de introduzir umas alteraçõezinhas nas receitinhas, não por gosto mesmo, mas por uma espécie de incapacidade para as seguir á risca, nem é muito o costume em bolos, mas neste foi mesmo por circunstâncias alheias á minha vontade.

E a primeira foi mesmo falta de produto, por incrível que pareça não tinha óleo em casa, não muito estranho, porque como quase não faço fritos nem o uso em mais nada acontece faltar...

A segunda foi mesmo por causa do meu menino que não gosta de frutos secos e como é ele o fã numero um do chocolate e quase não come outros doces tinha que fazer este bolinho para ele.

A terceira, foi a tentativa de substitução do óleo....

Então a receita original

4 ovos
1 chávena de açúcar
1/2 chávena de nozes ou amêndoas picadas (facultativo) - não usei
1/2 chávena de óleo - substitui por leite com uma colher de manteiga derretida
100 gr. de chocolate em barra
1 colher de sopa de margarina
1/2 chávena de leite
1 chávena de farinha


Batem-se os ovos com o açúcar, juntam-se as nozes ou amêndoas e o óleo. Derrete-se o chocolate com a margarina e o leite em lume brando. Após estar derretido junta-se à mistura inicial e por último juntamos a farinha.

A minha massa ficou bastante liquida e por isso tive que juntar a farinha aos poucos e bater com a máquina muito bem, para não fazer grumos.

Vai ao forno cerca de 15-20 minutos. Quando o bolo estiver com crosta espeta-se um palito, se na borda estiver cozido e no meio menos cozido, tira-se do forno para que o chocolate saia derretido no meio.

O meu levou mesmo os 20 minutos em forno a 200º mas a partir dos 15 fui abrindo a porta e quando a massa no meio ainda tremia mas pouco, considerei no ponto, para ficar com creme.

Levei a cozer em forma de aro, com o fundo forrado com papel vegetal, para não ter que virar o bolo ao desenformar, por causa do creme.

Posso dizer que mesmo com tantas alterações ficou uma delicia e foi a surpresa que fiz com o meu menino para o dia do pai.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Panquecas mais uma tentativa

A primeira tentativa que fiz de panquecas foi falhada, não no sabor que ficaram boas e comeu-se tudo, mas no aspecto e consistencia, pareciam-me mais crepes do que própriamente panquecas, por isso fui ao  blog da ameixinha porque ela tem lá um monte delas com muito bom aspecto e copiei a receita que me pareceu mais equilibrada com outras que pesquisei, com umas variantes, como não podia deixar de ser, mas no essencial não alterei nada.


1 chavena e meia de farinha de trigo
1 colher de sobremesa de fermento
3 colheres de sopa de açúcar
1 colher de chá de sal
2 ovos
3 colheres de sopa de manteiga derretida
1 chavena e meia de leite
Outros aditivos, como canela, baunilha, bananas e por aí, ficam para quando a coisa já sair bem.


Misturar todos os ingredientes secos numa taça e noutra bater os ovos  junto com os  liquidos

Juntar tudo e deixar descansar meia hora

Com uma concha colocar a massa em numa frigideira com untada com manteiga e aquecida e em lume brando, esta parte eu esqueci-me e como o meu fogão é electrico as primeiras sairam tostadinhas.

O ponto certo para virar a panqueca é quando as bolinhas que vão surgindo na massa começarem a rebentar.

Nas primeiras tive alguma dificuldade em virá-las, porque deitei massa demais para ficarem fofinhas e altas, as ultimas já sairam um pouco melhor, mas ainda não estão á minha vontade.

No sabor estas ganharam sem dúvida, ficaram deliciosas, mesmo sem recheio, aliás o meu pequeno comeu as dele assim mesmo, nem o chocolate que ele adora o animou.

Eu experimentei com doce de tomate e com mel, mas o chocolate é o meu eleito e dúvido que volte a experimentar com outra coisa, tal como nos crepes, sou de ideias fixas, quando gosto de uma coisa acho desperdicio perder tempo a experimentar outras.



sábado, 12 de março de 2011

Carne e carnaval

Manda a tradição por cá que se coma carne no carnaval, porque depois se entra na época da quaresma e a carne está em restrição, para os católicos mais praticantes claro, porque me parece que mesmo os católicos já poucos cumprem essa tradição.
O tipico mesmo é comer cozido á portuguesa, mas para dois e meio é um prato que não combina muito e como já tinhamos comido no fim de semana em casa da mãe, cá em casa saiu este arrozinho.

Ele já está por , por isso não passo outra vez a receita, porque fiz exactamente da mesma maneira mas deixo a sugestão, porque é uma coisa que cá em casa gostamos bastante e normalmente só faço nesta altura, época dos grelinhos/espigos, mas nem sempre me lembro de o fazer, aliás so me lembrei dele porque falámos no restaurante onde o comi pela primeira vez.

 

E como foi feito em dia de carnaval, deixo umas imagens do carnaval do meu bairro, há 13 anos que moro nesta casa e nem sabia que tinha um corso de carnaval mesmo á porta, o que quer dizer que nunca passei o dia cá em casa, nem sei bem onde costumo passá-lo porque nunca fui ver carnavais a outros sitios...
É um corso bem simples e pequeno, mas tendo em conta que é organizado po uma associação de bairro nem esteve nada mal




E o meu policia a comandar o transito

E a atirar bolas de neve mas na Serra da estrela, porque por cá foi mesmo só chuva.

sábado, 5 de março de 2011

Quiche de frango com alho francês e tomate cereja

Mais uma quiche e também mais uma de aproveitamentos, como a maioria das que faço.
Neste caso foi para aproveitar uns peitos de frango assado, que costumam ficar sempre meio esquecidos, já que cá em casa todos torcemos o nariz ao peitito, por ser uma carne mais seca, as coxas e as pernas são sempre as mais apetecidas, por isso há que encontrar uma solução para não haver desperdicio.

2 peitos de frango assado
1 chávena de tomate cereja
1 alho francês
Sal e pimenta q.b.
Azeite q.b.

3 ovos
1 colher de sopa de farinha bem cheia
1 pacote de natas de soja
100ml de leite
1 base de massa folhada congelada
queijo ralado q.b.


Primeiro cortar o alho francês em rodelinhas finas, cortar o frango em cubinhos pequenos e saltear tudo muito ligeiramente num pouco de azeite, temperado com sal e pimenta.

Entretanto bater os ovos inteiros com a farinha, o leite e as natas e temperar a gosto, para estas coisas adoptei as natas de soja, porque não se nota a diferença e na saúde espero que se note.

Colocar a base de massa folhada na tarteira, deitar por cima o preparado do frango, dispor os tomatinhos cereja em cima e cobrir com o creme dos ovos.

Polvilhar com o queijo ralado, eu normalmente uso misturas de queijos diferentes.

Vai ao forno pé-aquecido a 230º durante mais ou menos 30minutos.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Iogurtes de chocolate

A minha iogurteira tem estado em standby por falta de disposição e falta de espaço na cozinha também, é tanta panela e tanto utensilio e máquina, que alguns tem que ficar no fundo do armário e acabamos por nos esquecer deles ou simplesmente nos acomodamos.
Eu ás vezes até gostava de comprar determinadas coisas, mas só de pensar onde as vou guardar já me arrependo, porque os apartamentos hoje em dia, pelo menos nesta cidade cada vez são mais reduzidos, mas as nossas coisas pelo consumismo atual, cada vez são mais.

Assim um dia destes nas minhas pesquisas encontrei uns iogurtes de chocolate que me ficaram nos olhinhos, mas perdi-lhe o rasto mas não foi por isso que deixei de fazer uns á minha maneira, seguindo a lógica dos que habitualmente fazia, acrescentei-lhe o dito cujo.

1 litro de leite
1 iogurte natural
2 colheres de sopa (bem cheias) de leite em pó
100 gr de chocolate para culinária
3 colheres de sopa de açúcar.

Primeiro meti ao lume mais ou menos 300 ml de leite com o chocolate partido aos pedacinhos, o leite em pó e o açúcar, deixei aquecer mexendo sempre até o chocolate estar perfeitamente derretido e uniforme, não foi necessário ferver. Deixei em repouso para arrefecer um pouco e entretanto bati com a varinha o iogurte no restante leite.

Misturei as duas parte e mexi bem.

Meti dentro dos frasquinhos da máquina e como sobrou um bocado meti dentro dos frasquinhos de outros iogurtes que tenho guardados.

Os primeiros foram para a máquina, como é normal a noite inteira descansadinhos.

Agora o que fazer com os outros 3?! já que na máquina nem pensar.Fiz as minhas pesquisas e resolvi inventar.

Meti-os dentro de um tachinho com 2 dedos de água morna, liguei o fogão dois ou três minutos, desliguei e meti na posição manter quente que o meu fogão possui, durante mais ou menos uma hora.
Desliguei e tapei com dois panos de cozinha de turco e deixei em cima da placa ainda quente a noite inteira.

De manhã os que estavam mais sólidos foram os do fogão, talvez por estarem já mais frios.

Ficaram deliciosos, o sabor do iogurte misturado com o chocolate, uma delicia, nada do que eu tinha imaginado, nada parecido com pudim nem mousse, mesmo iogurte.
Agora o meu menino quer levar dos iogurtes da mamã para a escola e eu não lhe quero mandar os copinhos da iogurteira porque se não "já eram", os outros não têm tampa, alguem conhece alguma ideia para os acondicionar para esse fim?